segunda-feira, 29 de junho de 2009

A pobreza de "O Segredo"



Você é e tem aquilo que você pensa, um resumo simples de “O Segredo”. Antes de mais nada, esclarecerei que não aspiro escrever um livro refutando O Segredo, o que é bastante comum hoje em dia,muitos autores espertalhões embarcam na onda de sucesso de best-sellers e escrevem livros criticando as bases dos mesmos, foi assim com O Código da Vinci, Deus, um delírio e outros. O Segredo é uma farsa pseudo-científica pincelada de falsa erudição. Após ter lido O Segredo, fiquei feliz de ter pago o valor que paguei, em uma promoção paguei menos de um quarto do valor tabelado do livro e mesmo assim já me desfiz do mesmo.
Segundo muitos, Einstein (que segundo a Sra. Byrne era um dos “detentores” do Segredo) disse que se você joga uma bola verde contra uma parede a única coisa que receberá de volta será uma bola verde (não precisa ser Einstein para saber isso!) e segundo a senhora Rhonda Byrne se você “joga” pensamentos positivos “contra” o Universo a única coisa que receberá de volta serão coisas positivas. Pensar positivo sem dúvida é benéfico e isso não é nenhum segredo, a psicologia nos mostra como isso é verdadeiro. O primeiro ponto contra a base do livro é: se hoje você está doente ou na miséria, o único culpado por isso é você mesmo, se você é um fracassado, não fez faculdade, não tem carro a culpa é unicamente sua (o governo e o sistema não tem culpa nessa história!). Daí surgem relatos ao longo do livro de pessoas que enriqueceram ao conhecerem o Segredo, ou seja, abandone seu emprego já e passe a imaginar seu salário depositado na sua conta! Faça como o físico Marcelo Gleiser sugeriu: imaginem um cheque de trezentos mil reais adentrando pela sua janela e fique rico!
Meu questionamento chave é: por que os moradores da favela de Heliópolis não imaginam um cheque de 100 mil reais entrando pela sua janela ou então por que os moradores da África Subsaariana não imaginam um belo peru assado adentrando suas casas na hora do jantar? Não seria uma prova cabal da veracidade do Segredo? A melhor resposta que eu ouvi para isso é que devemos pensar pequeno, jamais pensar “grande”, o Segredo depende disso, este é o limite da Lei de Atração (que diabos de segredo é esse?!). Sonhar não é pecado, certamente. Mas vale lembrar, milhões de africanos passam fome por vontade própria, segundo O Segredo.
Como tem sido de costume para “novas teorias” é fundamental dar (ou pelo menos tentar) uma veste científica para suas idéias mirabolantes, é assim para O Segredo, para o Design Inteligente, para todas as modalidades de Criacionismo e de milagres das inúmeras religiões, estas áreas tem encontrado refúgio ultimamente em distorções da Mecânica Quântica. Em O Segredo encontramos 3 doutores (John Demartini, Ben Johnson e Joe Vitale) e 4 PhD´s(John Gray, John Hagelin, Denis Waitley e Fred Alan Wolf)como consultores do livro, se tivessem comprometidos com o pensamento científico não teriam feito parte deste livro pseudocientífico, mas homens são movidos por instintos (financeiros principalmente) e acima de cientistas ou doutores, eles são homens.
Vou citar apenas John Hagelin, este físico teórico deu sua última contribuição séria para a ciência em 1994, desde então se dedicou a meditação transcendental técnica do guru indiano “que diz que pode levitar mas que ninguém nunca o viu levitar” Maharishi Mahesh Yogi do qual Hagelin é discípulo. Suas sucessivas tentativas de incorporar o misticismo oriental em suas teorias físicas o deixaram à margem da comunidade científica e o afastaram de seus ex-colaboradores. Seu mais notável trabalho desde então foi um estudo (também falso) sobre como a meditação coletiva diminuiu a criminalidade na cidade de New York. Por este trabalho irreprodutível Hagelin foi laureado do prêmio Ig Nobel(vulgo ignóbil) da Paz, uma paródia do prêmio Nobel, hoje preside o Instituto de Ciência, Tecnologia e Política Pública da Universidade Maharishi, uma universidade nova-era fundada por seu guru, estas são as fontes “científicas” de O Segredo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

1. Seja polido;

2. Preze pela ortografia e gramática da sua língua-mãe.