segunda-feira, 5 de outubro de 2009

O argumento onipotente: seu arrogante dogmático!

Para André,

Para aqueles que estão imersos em debates e discussões, não sei se é uma tendência ocorrente no geral, mas as discussões costumam se encerrar, quando um dos lados chama o outro de “arrogante”. O ideal que sempre tive de debate é o de aprendizagem, troca de ideias e crescimento intelectual, e talvez por sempre partir desses ideais, não me vem a mente, nenhum debate que participei, onde meus oponentes tenham sido “arrogantes”. E mesmo que isso venha a ocorrer, jamais passarei isso para os ouvintes, em primeiro lugar por que não é um argumento e em segundo lugar, enquanto eu tiver argumentos, eu não precisarei me prestar a acusações infantis como esta. Prefiro ficar na frieza dos argumentos, da lógica.

Ainda dentro dessa temática, os céticos são no mínimo aprendizes em arrogância, não se proclamam donos da verdade, tampouco profetas do logos, apenas apesentam os argumentos contrários ao assunto em questão e quando necessário contra si próprios, em um processo de reciclagem e aprendizagem. Na ânsia de escapar dos argumentos do adversário, acusam de todas as coisas, mas refutá-los que é bom, nada. Lamentável.

E muitos desses também faltaram na aula de semântica, não fazem a menor ideia do que significa dogmático. Não me prestarei aqui ao papel de dicionário, apenas ilustrarei com um exemplo. Se eu faço a a seguinte afirmação: “O céu é verde com bolinhas amarelas” e meu interlocutor, estupefato com minha afirmação, me convida a observar o céu e então eu digo: “Não, não preciso olhar para o céu para dizer sua cor”. Então ele tenta me explicar como funciona a questão das cores, através do espectro eletromagnético e da refração da luz solar na atmosfera úmida da Terra, mas eu digo: “Não, não quero saber. O céu é verde com bolinhas amarelas e ponto final”. Isso sim é uma atitude dogmática, aquele que afirma isso é assim e ponto final, nada vai mudar isso. Aquele que se dispõe ao exercício da dialética e que desde o princípio não pretende nem mesmo trazer alguma verdade a tona, mas apenas criticar a verdade em questão, é qualquer coisa, menos dogmático.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

1. Seja polido;

2. Preze pela ortografia e gramática da sua língua-mãe.