terça-feira, 27 de setembro de 2011

Sam Harris e a ciência como fonte objetiva de valores, o projeto de "The Moral Landscape"



Comunicação oral apresentada em 22/09/11 no XVII Simpósio Multidisciplinar da USJT no auditório do Subsolo, sobre o livro The Moral Landscape do filósofo americano Sam Harris.

video


Apresentação de PowerPoint utilizada:

http://www.4shared.com/document/P-3xGKy8/Sam_Harris_e_a_cincia_como_fon.html

Resposta mais elaborada à pergunta do professor Paulo Henrique:

Talvez minha apresentação tenha focado demais na irreligiosidade do Sam Harris, contudo, no tocante ao projeto do The Moral Landscape - uma moral objetiva que tenha por fonte a ciência - a questão da religiosidade é apenas secundária. O que assusta Sam Harris é que apenas religiosos possam acordar de manhã e terem certeza da existência de uma moral objetiva, pessoas que muitas vezes acreditam no parto de virgens e que o Universo tem 6.000 anos.

Harris quer fugir do relativismo moral, fundar uma moral OBJETIVA, que não tenha, obviamente, Deus por fundamento.

Portanto, como toda religião teísta faz isso, funda seus preceitos morais em Deus, não faz sentido diferenciar entre religiões ou entre modalidades de religião. Talvez minha apresentação tenha dado a entender isso porque eu foquei nas punições dadas às mulheres nas sociedades muçulmanas e no criacionismo (sem falar na total rejeição aos homossexuais em termos éticos, o assassinato de médicos responsáveis por clínicas de aborto, etc), a moral objetiva que eles podem oferecer conduz a posições absurdas.

É nesse sentido que a falsidade da religião e seu conflito com a ciência moderna é enfatizado, secundariamente, por Harris em The Moral Landscape.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

1. Seja polido;

2. Preze pela ortografia e gramática da sua língua-mãe.