domingo, 1 de janeiro de 2012

Economia brasileira começa a ir para as cucuias, mas ela esteve, de fato, bem, em algum momento? Brasil tem 5º pior crescimento em 2011 e previsão para 2012 também é ruim

Por Folha de São Paulo,

2012 começando mal.
País terá expansão modesta em 2012, preveem analistas

Consultoria britânica afirma que Brasil registrou o 5º pior desempenho entre 24 nações emergentes em 2011

Média do crescimento em 2011-2012 perderá do segundo mandato de Lula e deve ficar pouco acima de 3%

ÉRICA FRAGA
MARIANA SCHREIBER
DE SÃO PAULO

O Brasil encerrou 2011 com um dos crescimentos mais baixos entre os emergentes. O país é o quinto que menos cresceu, em um grupo de 24 analisados, estima a consultoria britânica EIU (Economist Intelligence Unit). E deve repetir, em 2012, uma expansão ainda moderada.

Analistas projetam que o ano que começa será de recuperação, porém modesta e frágil. Traduzindo em números, o país deve crescer pouco mais de 3%, em média, nos dois primeiros anos do governo Dilma Rousseff.

O balanço é pior do que os celebrados 4,5% médios do segundo mandato do presidente Lula (2007-2010).

Embora a crise externa seja uma das causas da desaceleração, analistas dizem que os motores domésticos do crescimento começam a dar sinais de fadiga.

O enfraquecimento do setor fabril, por exemplo, é um problema de difícil conserto.

A EIU estima que o crescimento da indústria do país caiu de 10% em 2010 para 0,8% no ano passado.

Em 2011, o setor industrial teve o segundo pior desempenho entre 24 nações emergentes. Segundo a EIU, o Brasil só superou a Tailândia, afetada por graves enchentes.

Fatores como a valorização do real (que barateira os produtos importados), tributação pesada e deficiência de infraestrutura têm feito a indústria perder terreno para concorrentes externos.

"As dificuldades do setor são um problema estrutural preocupante", afirma Robert Wood, analista sênior da EIU.

CONSUMO
 
A expansão do crédito, que incentivou o consumo nos últimos anos, tem perdido fôlego. É uma tendência de difícil reversão no curto prazo porque o endividamento das famílias tem crescido, diz Luiz Carlos Mendonça de Barros, da Quest Investimentos.

Analistas ressaltam ainda que o Brasil tem fragilidades estruturais que limitam a capacidade de crescimento.

Aurélio Bicalho, economista do Itaú Unibanco, cita a baixa capacidade de investimento do governo, que tem o orçamento muito amarrado com gastos previdenciários:

"Esse é o grande diferencial dos países asiáticos. O investimento elevado aumenta a capacidade de produção e permite crescer a taxas maiores sem gerar inflação alta."

O quadro no Brasil é o oposto. O baixo nível de investimento ao longo dos anos criou empecilhos -como na infraestrutura- que impõe um teto baixo à capacidade de crescer sem gerar inflação.

A expansão de 7,5% de 2010, por exemplo, pressionou muito os preços e forçou o governo a tomar medidas para frear o crescimento.

Segundo Wood, a necessidade dessa freada ajuda a explicar porque o Brasil foi um dos países emergentes com menor expansão em 2011.

A piora da crise nos países desenvolvidos tende a agravar o cenário. Um dos canais de contágio já percebidos é a redução da confiança de empresários e consumidores, que acabam cortando gastos.

Uma menor demanda pelos produtos exportados pelo Brasil e uma queda no fluxo de investimentos externos também devem limitar a retomada econômica em 2012.
COMENTÁRIOS DO BLOGUEIRO:
O veranico da economia brasileira está passando. O discurso proferido aos sete ventos da força da economia brasileira, agora somos a 6ª economia do mundo (que bela porcaria de mundo este, não?) etc. etc.
O milagre econômico brasileiro, que pelo visto nem vai chegar aos pés do primeiro a levar esse nome acabou, a receita batida do governo e incentivar o crédito para tentar segurar as pontas não está funcionando mais, o nível de inteligência é bastante duvidoso, isso é certo, mas tudo tem limite.
O mais engraçado é que os sintomas disso já vinham aparecendo, o mais alarmante, na minha opinião, a crescente desindustrialização do país. Como um país que se desindustrializa pode ter sua economia levada a sério?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

1. Seja polido;

2. Preze pela ortografia e gramática da sua língua-mãe.