quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

O Brasil pós-moderno (título meu): 200 homicídios em 1 semana e "estamos bem" e ninguém está nem aí

Por Priscila Garcia,


Gostaria de chamar a atenção de todos para um fenômeno, a meu ver ASSUSTADOR, que acontece no Brasil, a saber:

- O Brasil é um país cujo governo é extremamente POPULAR: o povo aplaude o governo, reelege seus membros repetidamente, e lhe dá índices de aprovação altíssimos, de acordo com todas as pesquisas; nem mesmo qualquer coisa que possa ser chamada de “oposição política” existe, no Brasil – nem sob a forma de partidos políticos e nem sob a forma de movimentos populares;

- O Brasil, por critérios nacionais e internacionais, vem enriquecendo e prosperando continuamente. As classes pobres estão “entrando na classe média”, o consumo aumenta, o desemprego se mantém em níveis considerados pequenos, e os miseráveis são “cobertos” pelos programas assistencialistas do governo;

- O Brasil não exibe conflitos de caráter separatista, nacionalista, racial, político ou religioso;

- O Brasil, portanto, não tem NENHUM dos problemas que, no resto do mundo, CAUSAM situações de revolta, luta, violência; o Brasil não é a Grécia ou Portugal, não é a Síria ou o Iraque, e muito menos é o Sudão ou o Paquistão. O Brasil exibe praticamente uma UNANIMIDADE, na qual ninguém briga por motivo algum, e na qual a população, de modo geral, parece estar satisfeitíssima com a sua situação de “brasileiros”. O Brasil é considerado, interna e externamente, um país “cordial”, um país “alegre” e um país “musical”.

No entanto, o Brasil tem CINQUENTA MIL HOMICÍDIOS POR ANO, e recentemente assistimos a quase DUZENTOS crimes de assassinato em curtíssimo espaço de tempo, devido à ausência da polícia em um estado brasileiro.

Há alguma coisa de muito, mas MUITO ERRADO nisso tudo.

A MIM parece que praticamente TODOS OS DUZENTOS MILHÕES de brasileiros estão sofrendo de um mal estapafúrdio que é cada vez mais freqüente na “modernidade” – mal este que consiste em o vivente viver inteiramente DESVINCULADO da realidade que o cerca, como se nadasse em uma “sopa ilusória” que lhe é imposta através de doses maciças de propaganda contínua.

E nem mesmo a mais CONTUNDENTE e DURA realidade tira o mencionado vivente deste estado de COMA COGNITIVO.
---
Reparem que, dentro das condições que eu menciono, há uma única conclusão POSSÍVEL: a de que o povo brasileiro na verdade NÃO PRECISA de motivos - já que NÃO OS TEM - para sair matando seus conterrâneos. Nós entraríamos na História como o ÚNICO POVO que MATA PORQUE GOSTA DE MATAR, sem que para isto exista motivo algum reconhecido como tal, e que são o pretexto para que outros povos exibam índices de criminalidade semelhantes aos nossos... Imagino que os analistas e pesquisadores do futuro vão ficar PERPLEXOS, ao se defrontar com tão estranho fenômeno.

Desafio aos meus amigos e confrades que procurem, pra ver se ACHAM, algum outro lugar na face do planeta que tenha os mesmos índices de homicídio que nós temos aqui - e que NÃO TENHAM, como nós não temos, nenhuma das condições que reconhecidamente "desembocam" na extrema violência - como apartheids, lutas separatistas, rebeliões contra tiranias opressoras, extrema miséria sem esperança alguma, ou conflitos religiosos. Não vão encontrar NENHUM. Somos ÚNICOS.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

1. Seja polido;

2. Preze pela ortografia e gramática da sua língua-mãe.