terça-feira, 27 de março de 2012

Bocejo pessimista XIV - Confissões

Por André,



Ela tem habitado meus pensamentos nos últimos dias. Desconheço as causas, talvez sejam orgânicas.

Em sua presença, meu típico mau humor se esvai, a criatividade surge e minha condição fica digna à de um comediante stand-up.

Meu estado é paralogístico: ela está comprometida, tal como da outra vez. Devo torcer para o fim disso? Por quê? Para vê-la infeliz? Para pôr apenas meus sentimentos fraternais em prática? Para assistir tudo, como num deja vù, novamente?

Melhor ser kantiano e tentar ver tudo de um ponto de vista "cosmopolita". Tratar a felicidade do outro como se fosse a minha.

Expresso meus sentimentos ao modo cioranico, aliás, meus sentimentos são exatamente como os expresso: lacônicos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

1. Seja polido;

2. Preze pela ortografia e gramática da sua língua-mãe.