sábado, 7 de abril de 2012

Bocejo pessimista XV - a maldição dos feriados



Os feriados, especialmente os religiosos, tornam-se cada vez mais entediantes, mais chatos e mais solitários. Esta última qualidade não sei se deve ser exaltada ou a mais lamentada.

Perderam o sentido - que, em realidade, nunca tiveram - e agora não consigo atribuir nenhum outro a eles. Quanto mais tempo ocioso, mais ela permeia meus pensamentos, os domina. Em verdade, ela, tal como os átomos, compõe meu pensamento. Ela é a matéria bruta do meu raciocínio.

Tento entorpecer a mim mesmo das mais variados formas: ocupações desocupadas, o substrato teórico do imperativo categórico, o kantismo. Schopenhauer, nessas horas, é uma tentação. Cioran é mais pragmático nesse sentido. Proust caíria como uma luva. Mas e quando este estoque acabar??

Isso costuma funcionar por 360 dias do ano, mas, nos feriados, parecem perder o efeito. Por quê? Não sou capaz de dizer.

A pergunta que martela minha mente:

E quando toda minha vida se tornar um grande feriado? Uma grande páscoa, um grande natal?

Quando, verdadeiramente, só me restar, pensar, imaginar, torcer? Quando o estoque de Proust acabar? Quando já tiver rejeitado (caso o tenha), a solução adotada pelo schopenhaurianos?

Nessas horas, de que adianta conhecer o imperativo categórico? Poder reconstruir mentalmente a dedução transcendental? Acompanhar a firmação das 13 certeza cartesianas? Nada...

Solução...

Fugir? Para onde? Não se foge dos pensamentos...

Agir? Não, não, esse nunca foi o meu forte, sempre espectador desinteressado...

Out of Reach...


Nenhum comentário:

Postar um comentário

1. Seja polido;

2. Preze pela ortografia e gramática da sua língua-mãe.