quinta-feira, 3 de maio de 2012

Bocejo pessimista XVIII - novos horizontes, novas decepções?

Por André,



"(...)
E ainda que busque o cume da prudência
me dá teu coração vale estendido
com cicuta e paixão de amarga ciência"
Federico Garcia Lorca

Nesse mundo atual, alguém ainda presta atenção nas coisas pequenas? Nos detalhes? Nas minúcias? Nos pormenores?

Pequenos não no sentido de rasos ou insignificantes, longe disso, mas no sentido de básicos, essenciais (embora tenham sido abandonados por um sem-número de pessoas).

Presta-se atenção num olhar carinhoso, num cumprimento agradável, num gesto carinhoso, em expressões suaves, em elogios pequeninos, mas que retumbam no espírito daquele que o recebe? Ainda se presta atenção nisso? E mais importante, ainda valoriza-se esse tipo de coisa?

Será que ela, que me proporciona esta dádiva atualmente em extinção, o faz conscientemente? Ou será que eu, de mentalidade tradicionalista e nostálgica de um passado que sequer vivi, estou abobado pelo turbilhão de sentimentos que me atinge e estou vendo aquilo que quero ver?

É este questionamento que mais me aflige, estaria o homem dito de razão, fantasiando? Se deixando levar pelo lado do cérebro que tanto diz desprezar? Deixando de lado o raciocínio lógico, frio e preciso e se perdendo em meio às afecções comuns, às paixões?

Pois se dizem que quanto mais altura maior a queda, é certo que quanto maior e mais refinada a fantasia, maior é a decepção quando volta-se a ficar face-a-face com a realidade e ela se descobre vã. Daí a inquirição se não se trata apenas de novas decepções (se não houve apenas uma mudança de nome) ou se são horizontes mais novos e amplos se abrindo.

Pequenos elogios, ditos de forma inocente, ditos por alguém pequeno e (até prova em contrário) inocente. Azar dos que não valorizam mais esta requintada forma de relação humana, como aproveitador dela, prescreveria a todos os pessimistas por natureza e descrentes por definição como este que vos escreve.


"Tantas e tantas noites, esperei uma pessoa entrar, pelo simples motivo de resumir toda a minha intensa admiração e amor, em um simples boa noite."

Nenhum comentário:

Postar um comentário

1. Seja polido;

2. Preze pela ortografia e gramática da sua língua-mãe.