quarta-feira, 11 de julho de 2012

Cais - Por Francisco Fragoso



CAIS

"...
E aquela esperança que vinha
Nem sei de onde vem mais...
Espero com a dor que é tão minha
De viver preso à beira do cais.

Mesmo quando andando no porto,
Procurando entradas, canais,
Mostra-te fria e flutuas
E não me consolas jamais.

E mesmo sem ti é estranho
Saídas e chegadas banais.
Sinto-me parte das pedras
Que ancoram navios ao cais.

(...)

Tarde de julho, azul cinzenta,
Como outras invernais
Nada me dá notícias e aumenta
Minha espera junto ao cais.

A vida passando nas pedras
Navios, velas, sinais
Fazendo com que eu me torne
Mais uma pedra no cais.

***

Francisco Fragoso

Nenhum comentário:

Postar um comentário

1. Seja polido;

2. Preze pela ortografia e gramática da sua língua-mãe.