segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

"O sistema literário brasileiro está doente", afirma jurado "C" do Jabuti


Conforme a Folha adiantou, Gurgel é o jurado "C", aquele que atribuiu notas muito baixas a favoritos da categoria Romance da 54ª edição do Prêmio Jabuti, garantindo que seus livros preferidos fossem alçados aos primeiros lugares. 

Até que pudesse se pronunciar --o regulamento não permitia que se manifestasse antes da revelação oficial do júri, --Gurgel foi atacado na internet durante semanas a fio-- até de "jurado Carminha", a vilã da novela "Avenida Brasil", ele foi chamado. 

A legitimidade do voto, no entanto, foi garantida pela Câmara Brasileira do Livro, que patrocina o prêmio --o que não a impediu de chamá-lo para dar esclarecimentos sobre seus votos, o que não havia acontecido nas três edições anteriores do Jabuti, nas quais foi jurado na mesma categoria. 

Nesta entrevista, concedida num restaurante em São Paulo, na semana passada, ele explicou como viveu essas semanas de tensão após a abertura de seus votos no prêmio Jabuti.

Ele também falou do sistema literário brasileiro que além de "doente" está "dominado pelos departamentos de letras das universidades", e de sua formação.

Nesse aspecto, trata-se de uma trajetória nada incomum na era Lula: ex-militante do PT, pelo qual chegou a tentar uma cadeira na Câmara de Vereadores de Jundiaí (SP) -recebeu 700 dos 850, 900 necessários--, e ex-colaborador de publicações da CUT, Gurgel bandeou-se para o outro lado do espectro político. Hoje é engajado aluno do filósofo Olavo de Carvalho, conhecido por suas ideias conservadoras e pelo combate ao relativismo cultural.

"Não havia uma ética", diz ele sobre as primeiras "decepções" com a esquerda, no início do primeiro governo Lula. "O discurso era um. Mas a prática era a politica maquiavélica que é feita em qualquer partido."

No campo literário, Gurgel cultivou a fama de severo, com julgamentos implacáveis contra "estruturalistas", "desconstrucionistas" e outros advogados do experimentalismo.
 
Atualmente, desenvolve um projeto ambicioso: reler todo o cânon da literatura brasileira e submetê-lo a seu crivo em textos publicados no jornal "Rascunho". O primeiro fruto, o volume de ensaios "Muita Retórica, Pouca Literatura - de Alencar a Graça Aranha" (Vide Editorial), foi publicado em agosto.

Sobra para todo mundo, inclusive Machado de Assis. De Raul Pompeia, o importante autor de "O Ateneu", que vem sendo revalorizado pela crítica universitária, Gurgel diz: "Nós superestimamos, e eu superestimei durante muito tempo, o Raul Pompeia". Ele pretende chegar até Osman Lins (1924-78), célebre pelos experimentalismos de "Avalovara" (1973).

"Sempre tive uma dificuldade com os escritores nacionais", conta. "São muito retóricos, confundem literatura com eloquência, tem essa tendência a achar que a literatura não pode ser coloquial, tem que ter alguma artificialidade."

A crítica também não é poupada: segundo ele, "Se você não inovar em termos linguísticos, se você não tentar recriar o "Finnegan's Wake" [de James Joyce, marco da prosa experimental] o livro já não é bom" para os críticos brasileiros. O que fica são "exercícios narcisísticos".

Quando foi servido o vinho, Gurgel provou-o em clima de suspense, examinando cada nuance do buquê.

Apreensivos, garçom e repórter tiveram certeza de que, rigoroso que é, Gurgel ia mandar devolver a garrafa. Não foi o caso, e o crítico ergueu um brinde à literatura brasileira.

A extensa e boa entrevista pode ser conferida no site.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

1. Seja polido;

2. Preze pela ortografia e gramática da sua língua-mãe.