quinta-feira, 3 de outubro de 2013

Governo da Venezuela proíbe notícias sobre escassez de bens

Por Publico,

O governo da Venezuela proibiu as notícias sobre a falta de alimentos e outros bens e vai multar o canal de televisão Globovisión por ter transmitido uma reportagem sobre o assunto.

Segundo a Comissão Nacional de Telecomunicações, a reportagem apresentada na rúbrica Caso de Investigação sobre a falta de automóveis e de outros produtos é passível de provocar problemas sociais, explicou o presidente da entidade, Pedro Maldonado, citado pelo jornal espanhol El País.

A Globovisión pode ser multada em 10% das suas receitas brutas de 2012. O canal já tinha sido multado, há dois anos, em 7,5% das receitas brutas, por ter feito a cobertura noticiosa de um motim na prisão de El Rodeo. Nessa altura, o presidente do canal era um anti-chavista, Guillermo Zuloaga, mas, entretanto, a Globovisión foi vendida a um grupo de empresários com ligações ao regime de Caracas. Mas o governo do Presidente Nicolás Maduro, que há cinco meses sucedeu a Hugo Chávez (que morreu de cancro), considerou que a Globovisión foi longe de mais.

Maduro está em guerra contra as forças internas e externas, que culpabiliza pela escassez de alguns bens. Na Venezuela faltam muitos produtos, do leite ao papel higiénicos, e Maduro diz que se trata de uma "guerra económica" que tem como objectivo o estrangulamento da revolução bolivariana de Chávez. A guerra, já explicou, é orquestrada a partir do exterior e tem a colaboração interna da oposição e de agentes económicos (“especuladores” e “açambarcadores”, chamou-lhes Maduro).

Para perceber o mecanismo de produção do papel higiénico, a sua distribuição e a origem da escassez, Maduro ordenou no mês passado a ocupação de uma fábrica. O governo já gastou o equivalente a muitos milhares de euros a importar papel higiénico e vai gastar uma boa parcela do seu orçamento a comprar bens, sobretudo alimentares, ao exterior.

Agora, as notícias sobre a escassez foram proibidas e Maduro — que pediu às autoridades locais para estarem atentas e punirem os que as divulgarem — diz querer vencer a "guerra económica" até ao fim deste mês de Outubro.

Caso os mecanismos que provocam a escassez persistam, disse o Presidente num discurso no sábado, os venezuelanos sabem o que fazer: devem assegurar que a revolução bolivariana entra numa nova etapa.

"Vocês sabem o que fazer, sabem para onde devem ir... Tomar o poder em cada avenida, em cada estrada", disse.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

1. Seja polido;

2. Preze pela ortografia e gramática da sua língua-mãe.