sexta-feira, 8 de novembro de 2013

A estória marxista como plágio mal feito do cristianismo

Por André,

A santa ceia vermelha, onde o hamburguer é de camponês importado da Sibéria

"A escatologia marxista sempre imitou a doutrina cristã. No início, havia um mundo perfeito sem propriedade privada, sem classes, sem exploração e sem alienação — o Jardim do Éden. Então veio o pecado, a descoberta da propriedade privada e a criação dos exploradores. A humanidade foi expulsa do Éden para sofrer a desigualdade e a privação. Os seres humanos então experimentaram uma série de modos de produção, do modo escravista ao feudal e ao capitalista, sempre buscando uma solução sem encontrá-la. Por fim, eis que adveio um verdadeiro profeta com a mensagem da salvação, Karl Marx, que pregou a verdade da ciência. Ele prometeu a salvação mas não foi ouvido, exceto por seus íntimos discípulos, que difundiram a verdade. No futuro, contudo, o proletariado, os portadores da verdadeira fé, será convertido pelos eleitos da religião, os líderes do partido, e se unirá para criar um mundo mais perfeito. Uma revolução final e terrível liquidará com o capitalismo, a alienação, a exploração e a desigualdade. Depois disso, a história terá fim, pois haverá perfeição na Terra e os verdadeiros crentes terão sido salvos." - Daniel Chirot

"Marx desprezava a fé dos seus ancestrais e era indiferente ao luteranismo adotado pelo pai. No entanto, o marxismo não teria conquistado tantos adeptos se não oferecesse a perspectiva secular de um Juízo Final consubstanciado na prometida revolução na qual, mais uma vez, o deserto estava reservado aos ricos. Como Isaiah Berlin observou, os trechos mais eloquentes de O Capital são obra de um homem que, 'à moda de um antigo profeta hebreu... fala o nome do eleito, provendo o ônus do capitalismo, o fim do sistema maldito, a punição reservada aos que estão cegos ao caminho e meta da história e são pois autodestrutivos e condenados ao extermínio'." Niall Ferguson, em 'A Lógica do Dinheiro'.

Vale ainda o artigo de Murray Rothbard que acabei de descobrir intitulado Karl Marx as a religious Eschatologist.

2 comentários:

1. Seja polido;

2. Preze pela ortografia e gramática da sua língua-mãe.