domingo, 29 de dezembro de 2013

Programa Painel com Bolivar Lamounier, Luiz Felipe Pondé, Reinaldo Azevedo e mediação de William Waack

Por André,

Foi ao ar ontem, pelo canal Globo News, o programa "Painel". A temática foi "direita versus esquerda" e o programa foi de uma qualidade incomum para a discussão do tema no Brasil.

Reinaldo Azevedo foi brilhante, como de praxe. O sociólogo Bolívar (rs, que nome, não?!) Lamounier foi, em minha opinião neutro, com uma escorregada aqui e ali. Meus destaques são Pondé e Waack. Pondé por ter tido a atitude contundente que observo com frequência em sua coluna na Folha de São Paulo (mas não em suas participações no Jornal da Cultura, por exemplo), achei que todas as suas intervenções foram precisas e providenciais, dissecou boa parte da estratégia da esquerda nacional (exatamente como o faz em algumas de suas colunas e o que desperta o ódio espumante da esquerda organizada).

Mas talvez o destaque maior deva ser dirigido a Waack. Remando contra a maré insossa, quando não politicamente correta e ostensivamente esquerdista da imprensa brasileira e do canal de exibição, a Globo News, conduziu muitíssimo bem a discussão e quando interviu no conteúdo da discussão, ainda que brevemente, contribuiu com qualidade para o debate.

O debate já foi descarregado no Youtube e pode ser conferido em duas partes. Faço observações técnicas a seguir:




Numa dada altura do debate, Reinaldo aponta que gente de esquerda é necessariamente a favor da descriminalização das drogas (e do aborto). Alguns amigos libertários ficaram incomodados com a afirmação, visto que são a favor da descriminalização e rejeitam a pecha de esquerdista. Como um dos jornalistas mais bem informados do Brasil, penso que Reinaldo está plenamente ciente das posições morais dos libertários, porém, como o debate estava centrado na discussão "esquerda versus direita" e os próprios libertários se dizem uma "terceira via" - nem de esquerda nem de direita, penso que Reinaldo os deixou de lado nesse momento. Mesmo que haja uma amálgama entre a agenda moral da esquerda e alguns posicionamentos filosóficos dos libertários, o projeto econômico centralizante daqueles os afastam da esquerda (ao menos para a definição clássica da ciência política).

Depois, os debatedores levantam a hipótese de que a real oposição não é entre esquerda e direita, mas entre liberais e anti-liberais. Tendo a discordar. Entendo que esquerda e direita são categorias que permitem, ambas, serem subcategorizadas em "liberal" e "anti-liberal". A direita pode ser tanto liberal como anti-liberal (os Le Pen, na França, chegam ao ponto de repetirem o clichê esquerdista de culpas o "neoliberalismo" pelo mal no mundo), bem como a esquerda, que pode assumir faces "libertárias" (algumas vertentes do famigerado "anarcocapitalismo") e estatistas.

5 comentários:

  1. Ótima análise do programa!
    Questões polêmicas como legalização das drogas e do aborto transcendem o posicionamento político (e naquela altura, não era o foco exato do debate).

    ResponderExcluir
  2. Péssima análise do programa! Assista de novo, depois poste outra análise mais ponderada...

    ResponderExcluir
  3. Pelos comentários já vi tudo. Nem vou perder meu tempo. A questão tem que ser dividida em enfoque econômico e outro, de cunho social, que a direita procura desconhecer. Em qualquer parte do mundo.

    ResponderExcluir
  4. Eu entendi direito, quando você falou que a Globo News é esquerdista?
    Rafael P.
    (Não tenho cadastro aqui)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Entendeu sim.

      Você assiste o canal com frequência?

      Viu a cobertura dos últimos casos de terrorismo ou das manifestações?

      Excluir

1. Seja polido;

2. Preze pela ortografia e gramática da sua língua-mãe.