sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

Branco é amarrado a poste e Sininho já foi presa por racismo. E agora, esquerda iluminada?

Por André,

Quando, a contragosto, analisei os rolezinhos, disse que muito me parecia que a esquerda estava desesperada. Saiu defendendo algo que ninguém sabia direito qual era o propósito, foi destilando marxismo rastaquera e depois, muitos até se retrataram, pois ficou nítido que era apenas bagunça juvenil em larga escala, sem qualquer fundo revolucionário (quando não, até o oposto).

Bastou um ladrãozinho e agressor ser preso a um poste, num claro sinal de insatisfação e reação das pessoas diante das políticas de violência para que a esquerda viesse com sua narrativa mitológica, enfatizando que o o bandido era negro. Será mesmo que alguém que acha compreensível (e não louvável ou recomendável) que ele tenha sido amarrado ao poste, pensaria diferente se fosse um branco com as exatas mesmas atitudes criminosas? Apenas na esquerdolândia.

Pois bem, exatamente o mesmo ocorreu, agora em Santa Catarina, com um jovem branco. Por que nenhuma manchete enfatizou a cor da pele do rapaz? Ninguém percebe que, quando do caso anterior, o fato do menino ser negro foi majoritariamente mostrado, isso claramente era um típico estratagema ideológico, daqueles que a esquerda adora ver em todo canto (tipo propaganda tucana em cada comercial da Globo)? É autoevidente que os mesmos que apenas viram como algo compreensível o primeiro fato, assim viram o segundo, independente da etnia dos ladrõezinhos.

A complacência da esquerda com o racismo seletivo (militantes de esquerda podem ser racistas a vontade, âncoras de não-esquerda não podem opinar livremente, gente branca agredida é crime comum, gente negra agredida é retorno à senzala et cetera) não para. Sininho, a nova heroína manifesteira e Black Bloc juramentada, já foi presa por chamar um policial militar de macaco. Cadê o mesmo linchamento moral perpetrado contra Rachel Sheherazade? Que a esquerda acha toda violência revolucionária justificável já sabemos, são as mortes do bem, mas até racismo tá valendo na hora de criar o mundo melhor? 

Tão ruim quanto as senzalas onde os negros viviam em sombrios períodos da história são as senzalas ideológicas promovidas pela esquerda com negros e as demais minorias.


Um comentário:

  1. Olá André, você tem razão (parcial) quando fala da "seletividade" dos ativistas e simpatizantes da "esquerda" sobreposta aos diversos movimentos sociais, porém, há questões que vão muito além dos fatos isoladamente analisados em si, a questão do acorrentamento de jovens negros (sim pois foram mais de um) tem um simbolismo cultural e histórico de violência e desumanização agravado, já tinha feito um post (mais visual que escrito : http://blogdojuarezsilva.wordpress.com/2014/02/07/o-que-mudou/ ) para demonstrar do que estou falando, já a questão da Sininho..., tem a ver com um outro lado da mesma moeda, o fato dos brasileiros em geral se acharem "não-racistas" e terem uma tendência a "não enxergar" racismo mesmo quando óbvio, isso inclui uma complacência muito maior com os atos falhos do racismo introjetado ( inclusive na cabeça de "humanistas" e "revolucionários" ), situações que por outro lado, são exploradas de forma cínica e metaracista pelos "neo-democratas-raciais" (aqueles que apesar de racistas cordiais, insistem em usar a luta antiracista ou as extravagâncias envolvendo racismo, como forma de tentar justificar a anulação de ações práticas e efetivas de combate ao racismo, uma delas é "desqualificando" reais combatentes antiracistas ou evidenciando o racismo dos que não concordam com suas outras vicissitudes reacionárias e elitistas). É isso... .

    ResponderExcluir

1. Seja polido;

2. Preze pela ortografia e gramática da sua língua-mãe.