domingo, 13 de abril de 2014

Acerca do golpe petista

Por André,

Falar que o PT está implantando um golpe pode ser uma aventura. Petistas, espertalhões e o tipo clássico do "não sou petista, mas..." lançarão mão de ironias baratas. É aquele pessoal que acusa os outros de viver com a cabeça na guerra fria, quando na verdade eles é que nunca saíram de lá, por desonestidade ou ingenuidade só acham que há golpe comunista se houver deposição antidemocrática, campo de concentração, guerrilheiros empunhando armas etc. Perderam ou ignoram todo o debate do movimento revolucionário posterior à década de 30, quando os próprios comunistas se deram conta que revolução armada não vai funcionar e que economia planificada é impossível (daí acharem que o PT não pode ser comunista porque adota medidas ""neoliberais"" em economia).

O fato é que o projeto totalitário de poder do PT foi iniciado muito antes da eleição de Lula. Começou a ser feito quando o PT enviou membros do partido para estudar estratégias em outras repúblicas socialistas da América Latina, quando fez filiados contribuírem com "dízimo" para o partido, quando seus membros fundaram o Foro de São Paulo e decidiram que influenciariam eleições por toda a América Latina, se aproveitando dos pleitos democráticos que sempre que possível todos os comunistas fazem troça (a democracia não passa de uma forma de governo burguesa, que deve ser ultrapassada assim que possível e os próprios nunca esconderam isso).

O novo cool é chegar no poder com ares democráticos e colocar todos os elementos constituintes do Estado de direito de joelhos para o projeto do partido. Que é isso senão exatamente o que o PT vem fazendo sistematicamente?

Comprou o Congresso ora por meio do mensalão, ora fazendo alianças diabólicas para garantir a manutenção do poder, deixando os simpatizantes mais ingênuos de cabelo em pé.

Aparelhou o STF e TSE com seus pares, de forma que nada que os atrapalhe passe por ali. Até Joaquim Barbosa foi posto lá por Lula com essas intenções. O próximo a presidir o TSE é um bacharel em direito insignificante, certamente uma ovelha que não se desgarrará como Barbosa.

Aparelhou órgãos de pesquisa como IBGE e IPEA, empregando companheiros, encomendando pesquisas e garantindo as pautas ideologizadas do debate que acirra as divisões artificialmente criadas entre as opiniões dos brasileiros.

Teve ao menos um caso de corrupção gritante para cada ano de governo. E todos eles foram muito mais que meros casos isolados de corrupção, como bem aponta Olavo de Carvalho em "Apoteose da Vigarice":
“No entanto, tão arraigado é o vício mental infundido na população pela propaganda "ética" petista, que ninguém, hoje, parece perceber a diferença entre casos corriqueiros de corrupção e o crime incomparavelmente maior que o PT praticou e está praticando. O que o PT fez não foi desviar dinheiro daqui e dali para construir piscinas ou alimentar amantes de deputados. Foi criar um macro-sistema de corrupção destinado a neutralizar oposições, a debilitar a capacidade investigativa do Estado e a confundir a população inteira para fazer dela e da própria máquina estatal instrumentos dóceis a serviço da instauração lenta e anestésica de uma ditadura informal sob o nome de democracia. Isso não é corrupção. É golpe. É conspiração. É alta traição. Para quem se meteu em empreendimento tão ambicioso, tão perverso, tão maligno, ser acusado de mera corrupção é um alívio”. (Olavo de Carvalho, Apoteose da Vigarice, p.78)
E em caso mais recente, a Petrobrás, que perdeu metade do seu valor sob a tutela do governo petista. Entre outros, Marco Antonio Villa anteviu, como outros, que a Petrobras seria mais uma vítima do projeto de poder petista liderado nesta fase por alguém tão insignificante quanto Dilma Rousseff:

As promessas eleitorais de 2010 nunca se materializaram. Os milhares de creches desmancharam-se no ar. O programa habitacional ficou notabilizado por acusações de corrupção. As obras de infraestrutura estão atrasadas e superfaturadas. Os bancos e empresas estatais transformaram-se em meros instrumentos políticos - a Petrobrás é a mais afetada pelo desvario dilmista.
É claro que é difícil ilustrar e provar todos esses pontos quando alguém que está duelando com você simplesmente "argumenta" das seguintes maneiras: "golpe petista? kkkkk", "teoria da conspiração", "comunismo morreu", "não há golpe petista porque não campo de concentração". Mas elencar todos esses fatos para aquele seu amigo ainda sem posicionamento pode ser bastante útil.

P.S.: Agradeço ao amigo Gilvan Albuquerque pelas citações desse artigo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

1. Seja polido;

2. Preze pela ortografia e gramática da sua língua-mãe.