sexta-feira, 11 de abril de 2014

Roger Scruton: "O modo errado de lidar com o presidente Putin"

Por MSM,

A paz entre a Rússia e o Ocidente foi assegurada enquanto o interesse próprio dos oligarcas russos assim exigiu. Porém, não está mais tão claro que a paz esteja dentre seus interesses.

Com a cegueira habitual sobre a sua situação real, a União Europeia respondeu ao confisco da Criméia com a imposição de 'sanções' à hierarquia russa. Os chefes da máfia que rodeia e dependem do presidente Putin não mais terão a permissão para viajar às suas villas na Toscana ou para fazer saques em suas imensas contas em bancos europeus. As amantes, com o coração partido, permanecerão solitárias por meses a fio a não ser que convidem um dos eurocratas no restaurante do andar abaixo. As mansões em Mayfair permanecerão fechadas até que o gesso comece a cair, times de futebol em dificuldades e cavalos de corrida buscarão em vão por um comprador. Pensar que essas coisas farão a mais mínima diferença na política externa expansionista russa é uma ilusão de uma inocência inacreditável. Mais importante do que isso, contudo, é a profunda ignorância histórica que essa medida revela.


Para tanto, vamos olhar para o passado, para o colapso da União Soviética no tempo do astuto Sr. Gorbachev. Por que razão, de forma súbita e sem nenhum aviso prévio verdadeiro, a elite Soviética abdicou do poder de mando e silenciosamente retirou-se do governo? A resposta é simples: porque era do interesse deles fazer tal coisa. Graças à estratégia do presidente Reagan e da Aliança do Atlântico Norte, tornou-se evidente que não seria possível tomar posse dos bens localizados a Oeste do Império Soviético mediante o uso da força. Porém, também tornou-se evidente que o uso da força não era mais necessário. Ao longo de um período de setenta anos, a União Soviética construiu um sistema de espionagem e um sistema bancário subterrâneo que em essência conferiu à elite da KGB praticamente total liberdade de movimento no continente europeu, bem como um sistema de finanças pessoais seguro. Já em 1989 os oficiais de alta patente que tomavam as decisões de liderança possuíam propriedades no Ocidente e já haviam transferido para suas contas em bancos suíços a sua parcela de bens furtados ao povo russo no decorrer de décadas.

Então eles perceberam que esse processo poderia ser completado sem nenhum custo adicional. Através da privatização da economia soviética para si próprios e pela adoção de uma máscara de governo democrático, a elite apartou-se do comunismo, ingressando no mundo das celebridades. Então eles passaram a ser cidadãos livres do mundo, aptos a viajar, a possuir propriedades, a gastar o seu bilhão roubado e a se divertir com seus próprios times de futebol. Quão estúpidos eles haviam sido ao longo de todos aqueles anos, mantendo a herança da paranoia comunista e crendo que seus papéis de machos-alfa dependiam de ameaçar, invadir, subverter, e atormentar quando a coisa toda podia ser obtida simplesmente sendo (um cara) legal!

E então o que se passou? Com alguns leads (1) de Gorbachev a KGB captou a mensagem. Privatize o seu pedacinho da economia soviética e, se necessário, mande prender seus competidores por evasão fiscal. Retire um salário vitalício da sua participação nos bens roubados. Mantenha a sua mansão em Londres, a sua conta na Suíça e o seu iate no Mediterrâneo e pose como um homem de negócios interessado em gás e petróleo. Construa uma carreira de alpinismo social e aventuras eróticas no Ocidente e deixe que as velhasmonotowns da Rússia virem pó (2).

Obviamente foi um espetáculo indecoroso, porém não tão indecente ao ponto que as elites alemãs fossem repelidas por ele. Pelo contrário, ao convidar o Gerhard Schroeder (3) para a diretoria da Gazprom, Putin tornou os social-democratas alemães parte do jogo. Por toda a Europa a elite da KGB esteve em condições de fazer solicitações por favores recebidos e, assim, construir o seu caminho numa sociedade que já estava apodrecida com negociações por debaixo dos panos. O resultado, inegavelmente torpe, não é desfavoravelmente comparado à situação anterior na qual a mesma elite retinha o poder por meio da opressão do povo russo, aprisionava o Leste Europeu e agitava conflitos violentos por todo o mundo.

Então qual será o efeito das sanções propostas? Perceba que ela tem indivíduos como alvos e não o estado russo. As sanções foram expressamente desenhadas para aprisionar os oligarcas da Rússia novamente no país que eles arruinaram, e do qual, há um quarto de século, eles escaparam com arrogantes suspiros de alívio. Isto seria uma estratégia viável se a União Europeia possuísse os meios militares para conter os oligarcas atrás da fronteira russa. Esta fora a estratégia do presidente Reagan e que foi abandonada por Obama quando este decidiu não prosseguir com o sistema de mísseis de defesa que havia sido proposto para os países do Leste Europeu, e o qual de qualquer forma, nunca teve o endosso entusiasmado nem da França ou da Alemanha.

Desse modo nós voltamos para o ponto de partida: um poderoso zoológico de machos-alfa raivosos confinados atrás de um gradil que cederá ao primeiro chacoalhão que for dado com determinação. E é apenas uma questão de tempo até que o chacoalhão comece. A paz entre a Rússia e o Ocidente foi assegurada enquanto o interesse próprio dos oligarcas russos assim exigiu. Porém, não está mais tão claro que a paz esteja dentre seus interesses: ademais, assumir que eles irão respeitar os interesses de quem quer que seja é dar mostra de uma espantosa negligência com a história recente deles.


Notas:

1 - Leads, jargão jornalístico para referir-se ao resumo de uma notícia em uma ou em poucas linhas.

2 - Monotowns ou monogorod, em russo. Similar às “cidades militares”, as monotowns são cidades construídas pela planificação soviética teoricamente em localizações estratégicas e em torno de um único complexo industrial estatal, ou ainda, em torno de uma única fábrica/indústria. Com o desmantelamento da União Soviética e a imensa ineficiência do sistema produtivo Soviético essas cidades entraram em crise. Estima-se que 25 milhões de russos vivam nesse tipo de cidade.

3 - Gerhard Schroeder, foi Chanceler da República Federal da Alemanha de 1998 a 2005 pelo Partido Social Democrata. É amigo pessoal de Vladimir Putin a quem descreve como “um democrata sem falhas”, vide:http://www.telegraph.co.uk/news/worldnews/europe/ukraine/10697986/Merkel-fury-after-Gerhard-Schroeder-backs-Putin-on-Ukraine.html



Tradução: Francis Lauer

Nenhum comentário:

Postar um comentário

1. Seja polido;

2. Preze pela ortografia e gramática da sua língua-mãe.