quarta-feira, 21 de maio de 2014

Um dos maiores neurocirurgiões dos EUA explica as falhas do Obamacare e do Welfare State a Whoopi Goldberg

Por André,


O discurso dele é tão óbvio e claro que só sendo muito burro para não entender. Fala pausadamente, sabe o que diz, é racional. Ela não atrapalhou, creio, pois o livro dele foi até divulgado; no fim ela apenas fez o que a esquerda faz de melhor - seu modo de operação mental mais distintivo: juntar palavras, encadear frases e significados que representam antes sentimentos a questões reais e buscar algum tipo de aplauso (uma espécie de fama, hegemonia do público), sem jamais explicar o que pensa. A esquerda promete algo que NUNCA consegue cumprir; mas isso, se na direita é um problema, na esquerda é a solução: se não promete nada de concreto, não há meios de constatar que ela não alcançou o que prometia. Não á toa o esquerdista típico consegue aplausos com "ao povo o que é do povo!", enquanto o direitista não encontra mais do que um bocejo com "o governo não pode retirar tudo de todos e prometer devolver isso novamente!". Não há nada de concreto em clamar contra o "sistema" - o jurídico, econômico, político, qual? Difícil é responder como o sistema funciona e como deve funcionar, só que isso já não é mais trabalhar com as massas. A direita precisa, para vencer esses pensadores chumbregas que só sabem se auto-promover, entender que o público reage a sentimentalismo: colocar um negro lá na frente foi uma escolha acertada. Se fosse um branco, a Whoopi iria acusá-lo de ser branco e fazer pregação em prol de sua cor e, por fim, em ser racista - por discordar dela -, como já fez em outro vídeo.

Perceba que esse Ben Carson disse EXATAMENTE o mesmo que o David Horowitz afirmou, mas de forma mais clara e lúcida. Ou seja, já temos uma distinção entre liderança e intelectualidade. Essa distinção, como bem lembrou um marxista da USP há alguns anos - ao mesmo tempo moderado e crítico do Flávio Morogenstern - é clara e óbvia na esquerda: cada um sabe o seu lugar; o militante sabe que é militante, o intelectual sabe que é intelectual, enquanto na direita se dá o oposto: todos querem ser intelectuais, e as idéias jamais são divulgadas, simplificadas e transformadas em forças de ação política e movimentação das massas. Achei impressionante a forma como aquele sujeito explicou o assunto de forma tão lúcida; ensinaria lições de causar vergonha a qualquer liberal e conservador brasileiros.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

1. Seja polido;

2. Preze pela ortografia e gramática da sua língua-mãe.