quinta-feira, 19 de junho de 2014

As vaias a Dilma, considerações finais

Por André,

"Quem vaiou a Dilma era a elite branca, burguesa e direitista". São duas as conquistas do PT: tirar os pobres da miséria e retirá-los dos estádios.

[Conclusões óbvias e inescapáveis que qualquer mentecapto pode obter sob o manto da lógica ginasial elementar básica]

Isso indica que na mentalidade petista:

1- Pobre tem mesmo é que bajular, nada disso de ter opinião; lugar de pobre é fora do estádio e aplaudindo tudo o que o PT mandar; pobre não pensa, pobre só serve para vomitar o discurso que o governo espera que você carregue; pobre é massa de manobra mesmo; se for necessário acusar os ricos de tudo, como os antigos comunistas faziam (mesmo o PT sendo a elite da elite da elite brasileira), o farão sem escrúpulos; rico não merece nada além de cuspes pelo simples fato de seres ricos.

2- Quem não gosta da Dilma é branco, quem não gosta da Dilma é de direita, quem não gosta da Dilma é rico (metade do eleitorado brasileiro, portanto, que a apóia e que votou nela, é rico, mas não se discute essa contradição.) Aliás, metade dos eleitores do PT devem se encaixar na categoria "branco, 'não gosta da Dilma' e rico". Ninguém do PT é branco e os fatos não contradizem o discurso; "cor de pele" é subjetivo e depende de muitos institutos de pesquisa e de uma elite intelectual iluminada para nos dizer qual cor estamos vendo.

3- Quando um petista é xingado, ele xinga de volta gritando: "seu branco", "você é da elite" ou "seu burguês". Ser branco é xingamento, e é equivalente a "vai tomar no cu". Cor de pele pode ser usada como forma de detração e rebaixamento, como se fosse algum problema genético, doença mental, sinal de demérito ou falta de ética, algo do qual você deveria se envergonhar. Dircurso racial, hoje, é sinal de inteligência. Pelo menos para petistas.

4- Negros não têm capacidade de enriquecer, são os eternos pobres: os homens das cavernas, por exemplo, eram todos negros, e se tornaram brancos à medida em que enriqueciam. Ganhar dinheiro é coisa de branco, não ganhar é coisa de negro. Negros são tão burros e idiotas que só poderão enriquecer se o PT (ou "medidas sociais de redistribuição de riqueza") der dinheiro a eles: quem gera dinheiro, quem produz riqueza são os brancos; negros só merecem nossa piedade e nossa esmola, não são capazes de produzir nada sozinhos. Ah, mas petistas não são racistas, racista são os outros que acusam o discurso racista de ser... racista.

5- Ter dinheiro = xingar muito (no twitter, no estádio etc.). Pesquisas indicam uma relação direta entre ser culto e saber onde fica o próprio ânus. Quem tem dinheiro xinga, quem não tem não xinga. Dinheiro não está associado a poder de compra, e sim a poder de xingo. Riqueza está associada a uso de palavras altamente complexas como "Dilma", "vai", "tomar", "no", "cu", palavras que não saberíamos o significado sem um dicionário de R$30,000 e um doutorado na Europa, algo que só um rico pode comprar.

6- Como todo e qualquer brasileiro sabe o que "cu" significa, podemos deduzir que o PT é o melhor partido do mundo, pois erradicou o analfabetismo no Brasil.

7- Pobre não vai a estádio, e o PT não construiu estádios para os pobres. Em estádio só tem "coxinha branco elitista do PSDB", de onde se conclui que os estádios foram feitos para o partido da oposição, mas principalmente para branquelos. O PT prefere servir aos brancos, mas quer voto de todas as cores. Por que o PT faz isso é um mistério ao próprio PT.

8- Cor de pele determina salário, mesmo em uma multidão colorida. Um grupo heterogêneoserá tomado pelo resultado da união das cores de seus elementos. Se um branquelo e um negão xingaram a Dilma, o negão não é gente, então criticaremos apenas os brancos. Quando um negro e um branco xingam a Dilma, diremos que "foi um mulato" e que "esse mulato era rico, pois era um mulato claro". Cor de pele determina pensamento político ("fascista"), renda ("elite"), preferência política ("PSDB"), nacionalidade ("Croata") e caráter (""). Aliás, cor de pele determina tudo, MENOS A PORRA da cor da pele. Não interessa o que você vê, interessa o que o PT diz que você deve ver.

8.1- Veja abaixo a tabela de quanto você ganha mediante a cor da sua pele:

a) branco, muito branco: ganha muito
b) não tão branco: apenas ganha
c) mulato claro: ganha má o meno
d) mulato escuro: talvez nem ganha
e) negro: não ganha, mas também não xinga

Daqui concluímos que se o Brasil está se tornamdo mais mestiço, está se tornando menos desigual. Uma boa medida política é branquear a população a fim de se acabar com a miséria;

8.2- Veja também a tabela de ideologia política por uso de palavrões e a sua classificação de acordo com o padrão PT de qualidade:

a) "Dilma, vai tomar no cu": nazista, estuprador, fascista, elite branca, leitora de Veja (do melhor para o pior), é contra o Brasil e anti-povo
b) "Dilma escrota": fascista, lixo humano, assiste a Globo e curte novela
c) "Dilma burra": proto-fascista, elite burguesa, Folha mente mídia golpista, não leio Veja
d) "Dilma, quem é Dilma?": gente boa, feliz, brasileiro é um povo bão, honesto, trabalhador
e) "Dilma é mara, é grande, é minha ídala, é linda, é mulher e tem ótimo português": cumpanheiro, gente boa, vota na gente, assim o Brasil vai pra frente, progressista

9- Nossos jornalistas "críticos, não manipulados e independentes" preferem te julgar pela cor da sua pele, mas quem discordar é racista. Quem discordar é fascista. Quem discordar é do PSDB. Quem discordar é da elite financeira mundial. Logo, se você discordar, você é rico. Assim, para acabar com a miséria, basta uma leve discórdia. Nossos jornalistas não são "críticos" (que merda significa, hoje, essa palavra, senão idéias prontas e ser, portanto, burro?), pois repetem discurso doente mental, ideológico, típico de analfabetos. Não lidam com a realidade, mas com sua necessidade de bajulação e lambeção anal de políticos que eles apóiam. Não são indepentendes, pois dependem de três coisas: do discurso oficial do Partido, da burrice de seus leitores e de muita verba estatal (seu dinheiro, otário, mediante impostos).

10- Foda-se qualquer problema ligado à Copa, os protestos na rua, os crimes em escala alucinante e o nível endêmico de violência no Brasil, foda-se, principalmente, que pessoas morrem e que o governo não faz nada para impedir isso (pelo contrário, fomenta o crime), o que importa é que "minha nossa, tem uma parte do estádio com pessoas brancas, de onde elas vieram, veja daqui a pouco no Fantástico, pessoas brancas: elas existem? Estão entre nós? O que elas pensam? O que elas comem? O que elas xingam? Elas gostam da Dilma?".

11- Nosso jornalismo "crítico, muito crítico mesmo, tão crítico que a minha mãmae disse, nossa, filho, como você é crítico" não passou do nível CARAS de crítica social e merece mesmo o prêmio 'bunda mole lambe cu de político'. Esse jornalismo merece tomar no cu.

12- Dilma e Lula, pessoas BRANCAS, com muito PODER e absolutamente RICAS, se sentem marginalizados quando são mandados tomar no cu. São pessoas frágeis, de egos grandes (cus não sei) e psicologicamente problemáticos, que precisam ser idolatradas e bajuladas diariamente e se comportam como crianças mimadas: esse é o nível ético e a condição psicológica de quem é eleito e se acha capacitado para nos dar lição de moral. Se preocupam antes com um xingamento do que as pendências do país, ou seja, antes com aparências do que com questões concretas. No entanto, foram xingados justamente por isso: as aparências não colaram e os problemas concretos se avolumaram (mas a culpa é do FHC, pois ele é branco).

13- Futebol é espetáculo mesmo, e para o PT é só mais um canal de propaganda política. Qualquer demonstração de humanidade (como xingar quem você não gosta) é absurda, mesmo que isso seja comum em todas as casas brasileiras, nas ruas e na internet. Quando um negro xinga a Dilma ou o Lula, esse negro é rebaixado à categoria de branco. Ser branco é ruim (mas isso não é racismo). Ele não tem o direito de ser negro enquanto não ficar de quatro para o PT. O PT e seus apoiadores retiraram o seu direito de ser negro. E nem branco você pode ser: isso é pior que ser ladrão.

14- Em todos os jogos do Corinthians em que o juiz foi xingado, quem xingou era rico, pois pobre não tem "cu" no vocabulário. Sim, petistas pensam que "cu" é uma palavra nobre, culta e erudita, de difícil acesso aos mais pobres (e negros, e desqualificados), que são burros o suficiente para não possuir tal vocábulo. Quem fala "cu" é claramente alfabetizado. Se falar "cu" e "vagina" é porque tem mestrado. "Cu", "vagina" e "porra": doutorado e nobel da paz. "Cu", "vagina", "porra" e "caralho": gigante da literatura brasileira. Como todas crianças e jovens saem das escolas apenas sabendo isso, percebe-se que a educação petista é um sucesso.

15- Pobre não tem direito de xingar. Aliás, quem xinga muda de classe social na hora (tipo promoção da Casas Bahia: xingue agora e ganhe um televisor grátis), e passa a receber mais no exato instante. Assim, está aí um ótimo motivo para xingar a Dilma.

CONCLUSÕES:


Petistas em geral vivem em um mundo à parte, onde a realidade não importa, não vale e não significa. O que importa é o véu ideológico que, se afirmando infinitamente, molde a realidade (pelo menos em suas cabeças ocas), o que importa é a vontade do partido (foda-se o país, a imagem da Dilma vai mal). Quando você diz que dirigentes do PT ameaçaram de morte pessoas pobres, o petista responde: "Ele tirou X% de pessoas da miséria, lálálá!". Ele não responde com a realidade, e sim com um fato que visa encobrir o fato que você apresentou. É um jogo de crianças, de pessoas politicamente imaturas, 'crentes políticos'. Se você menciona o aumento da dívida interna do Brasil, o petista responde que "A classe média tem poder de compra, quem reclama é rico!". Ele não responde ao que foi dito, pois acredita que a todo ponto negativo deva ser acrescido um positivo a fim de ganhar um jogo (o jogo eleitoral). Existe um tabuleiro na cabeça dele e toda vez que a Veja critica o governo ele precisa: 1) ignorar a crítica; 2) elogiar o governo; 3) repetir "a Veja mente"; 4) cantar vitória. Ele quer fazer política e discussão "crítica, muito crítica" na base da pontuação, do "passa ou repassa", do "agora é a sua vez, Roberto, de chutar uma letra", do empate técnico e do juíz apitando o fim do jogo (sendo ele o juíz eterno, é claro). Se você diz que o PT esteve envolvido em um caso de corrupção, ele não averigua se é verdade, mas responde: "É da Veja, a Veja mente, então é mentira, e você lê Veja, então é mentiroso". Suas conclusões são todas baseadas em certezas típicas de fanáticos religiosos, não em análise criteriosa dos acontecimentos, números, metodologias, lógica etc.. Por isso é uma ideologia. Senão seria ciência. No fundo, não existe grande diferença entre um petista e quem o PT odeia. A diferença fundamental entre um pastor homofóbico e um petista é que o petista não é pastor. Bom, pelo menos não na mesma religião. Mas se for necessário ser homofóbico para ganhar votos, defender racismo, elitismo, preconceitos mil e demais teses psicopatas que já deveriam estar enterradas (como o socialismo escancarrado em sua 14ª resolução e demais), ele irá defender e receber aplausos. Um pastor maluco é maluco dentro de sua igreja, um petista é maluco dentro e fora dela. Um pastor maluco não admite que pessoas diferentes entrem em sua paróquia. Um petista não admite que pessoas pensem diferente. O caso é grave. E o fato de haver tantos petistas no país atesta o fato mais óbvio cotidiano: a inteligência nacional morreu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

1. Seja polido;

2. Preze pela ortografia e gramática da sua língua-mãe.