quinta-feira, 28 de agosto de 2014

Olavo de Carvalho cede entrevista ao site "Islamidades"

Por Islamidades,

Olavo de Carvalho é filósofo, escritor e jornalista e atualmente escreve para o jornal Diário do Comércio da Associação Comercial de São Paulo. É autor de vários livros, incluindo O Jardim das Aflições, O Imbecil Coletivo, O Futuro do Pensamento Brasileiro, entre outros. Também é o fundador do  renomado Seminário de Filosofia.

Islamidades: Hoje um dos temas mais debatidos nos meios conservadores é a islamização da Europa. Quase sempre esta discussão é acompanhada de uma multiplicidade de posições ideológicas, desde neoconservadores até eurasianos. O fato incontestável é que a enfermidade espiritual do Velho Continente abriu as portas para a entrada do islamismo como o substituto de um cristianismo "caduco", incapaz de se apresentar de modo convincente. O surgimento de uma elite islâmica europeia parece ser a concretização daquilo que já estava contido nos escritos de Guénon e Schuon décadas passadas. Até que ponto este processo de islamização é profundo e irreversível?

Olavo de Carvalho: A penetração do Islam no Ocidente não começou com a imigração em massa, nem com o terrorismo, nem com a espetacular agitação política que se viu nas últimas décadas. Ela remonta à ação discreta de René Guénon, iniciada na segunda década do século XX e dirigida a uma elite intelectual altamente capacitada, bem longe dos olhos da mídia, dos “analistas politicos” e da maioria dos orientalistas acadêmicos. Quando Frithjof Schuon fundou  nos anos 50 a tariqa que Guénon  considerou o primeiro resultado significativo do seu trabalho, ela já atraiu intelectuais de primeiríssimo plano, cuja ação permaneceu discreta pelo menos até a década de 90. Foram setenta anos de conquista dos corações e mentes nas altas esferas intelectuais, políticas e financeiras.

Sem isso, a estratégia da ocupação por imigração jamais poderia ter sido levada à pratica. Foi preciso, primeiro, minar a resistência nas altas esferas. O exemplo mais característico é o príncipe Charles da Inglaterra,  que por intermédio de Martin Lins se tornou um discípulo de Schuon pelo menos desde a década de 80 e viria a aparecer, já no nosso século, como o maior protetor dos invasores islâmicos no seu país.

Todo esse processo passou despercebido aos analistas politicos e cientistas sociais, que até então desconheciam praticamente tudo do Islam, mas a promessa de Schuon ao voltar da Argélia e instalar sua tariqa em Lausanne foi bem explícita: “Vou islamizar a Europa”. Disse e fez. Perto dessa ação em profundidade, as ações espetaculares do aiatolá Khomeini e dos terroristas não são senão a espuma trazida pela maré. Se você me pergunta se é possível reverter o processo, respondo que sim, mas é preciso agir desde a camada profunda onde o processo começou.

Islamidades: O islamismo seria capaz de proteger-se do secularismo ocidental? Desde o séc. XIX o mundo islâmico está lutando para se adaptar ao novo contexto mundial. A ascensão do socialismo e nacionalismo árabes, como resposta de sabor europeu aos problemas concretos do Oriente Médio, mostrou-se um completo fracasso. O surgimento de grupos de libertação, como a Irmandade Muçulmana e a Revolução Islâmica no Irã, criavam mais problemas do que soluções. Ademais, desde a consolidação do wahabismo na Arábia Saudita, o “salafismo” se tornou em propulsor de anacronismos em todo o mundo islâmico. Para agravar ainda mais o cenário, o liberalismo ocidental surge como uma proposta sedutora de progresso, e cobrando a secularização da sociedade. Com este quadro formado, e analisando a “Primavera Árabe” e os seus frutos, como entender o complexo movimento de (re)conhecimento e adaptação das nações islâmicas – para não dizer Ummah – ao mundo moderno?

Olavo de Carvalho: As relações entre o Islam e o secularismo ocidental são bastante ambíguas. Por um lado, foi o secularismo que debilitou  a herança cristã da civilização européia, criando um vácuo que o islamismo se oferece gentilmente para preencher. Por outro lado, a ponta de lança mais avancada do secularismo foi precisamente o movimento comunista, que armou, treinou e dirigiu não só os grupos terroristas islâmicos, desde muitas décadas atrás, mas também vários líderes politicos bem conhecidos, como Gamal Abdel Nasser e Yasser Arafat. Sobre esses dois aspectos, o secularismo embora oposto, em aparencia, à ideologia islâmica, foi o grande suporte da sua penetração no ocidente. Existe, embora mais discreto e menos significativo historicamente, o reverso da medalha. Em muitos países islâmicos, a começar pelo proprio Irã, os atrativos da moderna vida ocidental, com a promessa da liberdade sexual e a sedução das drogas, inspiram alguma revolta entre os jovens, criando uma instabilidade que os governos islâmicos têm conseguido eliminar na base da repressão e da violência. As análises usuais não levam em conta essas ambiguidades, preferindo insistir na visão estereotipada de uma oposição esquemática entre “modernidade” e “fundamentalismo”.  A questão complica-se, no entanto, um pouco mais, porque justamente essa oposição, assim concebida, é usada pelos secularistas ocidentais para combater não o Islam, mas o que resta de cristianismo na sociedade européia e americana, de modo que a própria retórica modernista que verbera o “atraso” e o “fanatismo” da civilização islâmica debilita ainda mais a resistência aos invasores.

Islamidades: A mística é mais eloquente do que séculos de debates teológicos. No contexto islâmico isto é ainda mais verdadeiro quando levamos em consideração o intercâmbio entre xiitas e sunitas no sufismo. Por mais que complexas concepções doutrinais os separem, como a noção xiita da função esotérica do imamato, no campo místico o diálogo é eloquente e muitas vezes supera  as distinções. Como defendido por  Seyyed Hossein Nasr, “somente o sufismo pode alcançar esta Unidade que abraça estas duas facetas do Islam e consegue transcender as diferenças exteriores”.  A difusão da mística islâmica, ou ao menos a formação de uma elite espiritual sob a sua égide, seria fator fundamental na coesão interna do islamismo?

Olavo de Carvalho: O agressivo globalismo islâmico que aspira ao Califado universal nasce da confluência de duas correntes aparentemente  incompatíveis. Por um lado, é evidente que o esoterismo “sufi”  representa, ao menos virtualmente, a grande força de unificação spiritual das inúmeras correntes religiosas e ideológicas que, numa confusão dos diabos, pululam no Islam. Nesse sentido, ele é de certo modo o cérebro por trás de todo expansionismo islâmico no que ele tem de mais ligado à nostalgia das glórias passadas e ao senso messiânico que inspirou o Islam desde o começo. No século XX a influencia soviética penetrou profundamente no meio islâmico, incentivando a transformação do revanchismo anti-ocidental numa ideologia revolucionária fortalecida pela “teologia da libertaçao” islâmica criada por Said Qutub nos anos 30. É quase inconcebível para o observador ocidental usual atinar com uma aliança entre tradições espirituais esotéricas e o mais brutal movimento revolucionario anti-religioso de todos os tempos, mas ela aconteceu. Até hoje existe, ainda que bem controlada, essa tensão dentro do mundo islâmico, na medida em que o presente governo russo, composto quase que inteiramente de membros da mesma KGB que orquestrou a politização do islamismo seis ou sete décadas atrás, busca hoje integrar as forças islâmicas no seu projeto maior, o Império Eurasiano. Há toda uma zona de mescla, de competição e de colaboração entre “árabes” e “russos”, que até hoje não foi adequadamente mapeada pelos estudiosos. Quem vai usar o outro e quem vai ser usado é uma questão que só as próximas décadas decidirão.

Islamidades: Autores como René Guénon, a.k.a.  Shaykh 'Abd al-Wahid Yahya, Frithjof Schuon, a.k.a. Shaykh 'Isa Nur al-Din Ahmad, e Martin Lings, a.k.a. Abu Bakr Siraj Ad-Din, são alguns nomes da filosofia perene, todos convertidos ao islamismo.  Dentro do caldeirão da “unidade transcendente das religiões” a fé islâmica se sobressai como a plenitude das religiões tradicionais. Contudo, o que parecia ser apenas uma dinâmica própria de grupos esotéricos periféricos, tem se mostrado muito mais estruturada do pondo de vista prático, seja através do incremento de obras publicadas, como através da disseminação do esoterismo, principalmente nos EUA e Europa. Ademais, o perenialismo também influenciou, em aspectos que parecem obscuros, o modo como o ecumenismo moderno foi concebido.  Os pressupostos metafísicos comuns nas crenças tradicionais possibilitariam, aos olhos da Escola Perene, um “ecumenismo esotérico”, utilizando o termo consagrado por Schuon em seu livro “Christianity Islam: Perspectives On Esoteric Ecumenism”. Até onde chega a influência do perenialismo na cosmovisão religiosa moderna e na vida intelectual ocidental?

Olavo de Carvalho: O projeto de Guénon e Schuon parece fundar-se no reconhecimento da igual legitimidade de todas as tradições religiosas, porém, na medida em que toma o esoterismo islâmico como a modalidade mais alta e vigorosa de espiritualidade nas condições da época presente, ele corresponde, na prática, a colocar todas as religiões do mundo sobre a orientação discreta de uma elite espiritual islamica. Levei décadas para entender uma coisa tão óbvia. Quando Guénon, nos anos 30, disse que o Ocidente só tinha três saídas – a barbárie, a islamização ou a restauração da Igreja Católica, ele deixou bem claro que esta última alternativa deve ser conduzida sob a direção de autoridades espirituais islâmicas. A única diferença, portanto, entre as duas ultimas alternativas é a que existe entre islamizar a civilização ocidental de maneira ostensiva ou camuflada. A prática mostrou que essas duas alternativas não se excluem absolutamente. Um detalhe interessante é que toda a retórica, tanto guénoniana quanto “perenialista” ( essas duas coisas não são exatamente a mesma) se baseia na afirmação de que o esoterismo foi totalmente perdido de vista no Ocidente pelo menos desde a Renascença, reduzindo-se a religião crista, na modernidade, ao mais raso exoterismo. Daí concluíam esses doutrinários que uma injeção de sufismo era necessária para salvar o Ocidente de si mesmo e reatar os elos da civilização com as suas raízes cristãs mais remotas. Acontece que, no Ocidente, o esoterismo só foi perdido na esfera da cultura acadêmica, mas, fora dela, continuou pujante e vigoroso, inspirando praticamente todos os grandes escritores e poetas do mundo Ocidental. Também é fato que a mais alta “realização metafísica” cuja possibilidade o sufismo de Guénon e Schuon prometia trazer de volta a uma civilização extraviada, jamais foi perdida de vista na tradição católica, como se vê, claramente, pelos livros do padre Juan Gonzalez Arintero, La Evolución Mistica e Cuestiones Misticas.Em suma, o que essa gente prometia era nos dar algo que já tínhamos, com o agravante de que a doação vinha acompanhada da transferência da autoridade da Igreja Católica para as autoridades espirituais islâmicas que a dirigiriam e orientariam desde longe.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

1. Seja polido;

2. Preze pela ortografia e gramática da sua língua-mãe.