domingo, 28 de setembro de 2014

Se Cuba é um paraíso comunista, a Suíça é um paraíso capitalista. Vamos comparar?

Por André,


Suíços acabam de recusar o implante de um sistema único de saúde. Como são burros de não querer uma versão de um SUS ou Obamacare só pra eles, não!?

Já recusaram a proposta de implante do salário mínimo (salário de irrisórios e simbólicos 10 mil reais por mês).


Também rejeitam a criação de um plano de política industrial (o plano de política industrial é não ter um plano de política industrial).

A Suíça também é um país armado até os dentes, parte substancial da população tem porte de armas e treino para usá-las. Desnecessário dizer que é um dos países mais seguros do mundo.

Cada vez que um comunista te falar de Cuba, fale da Suíça. Cada um com o país modelo que merece.





Este rapaz foi armado até a loja da Apple.

ADENDO DE 05/06:

Suíços também rejeitaram maciçamente um projeto que se assemelha ao "renda mínima" de um maluco como Eduardo Suplicy. Cada cidadão ganharia 9 mil reais por mês simplesmente por respirar.

Além de tudo que já foi citado, por consulta popular suíços já rejeitaram: taxação sobre grandes fortunas, fim de cassinos, tabelamento de preços de livros, limite de salários para executivos e diminuição da idade mínima para aposentadoria.

7 comentários:

  1. ok, vc falou cada um tem o modelo q merece que tal citar a suécia então q possui o capitalismo puro e é uma potencia mundial

    ResponderExcluir
  2. Matéria lixo, sem respaldo, sem conhecimento. Aposto que quem a escreveu jamais esteve nem em Cuba, nem na Suiça. Ademais, achar que só por que determinadas coisas deram certo na Suiça, como o porte de armas, não significa que daria certo no Brasil. Isso mostra uma completa falta de análise contextual. Assim, é um erro grosseiro não considerar fatos como: Os suiços não são como os brasileiros. Sua cultura, educação e relação com as armas é bem diferente do que a dos brasileiros. No Brasil, certamente não teríamos um país seguro com armas, mas sim um número expressivo de mortes, pois qualquer simples briga de vizinhos já seria motivo para sacar o revólver. Em relação à Cuba, fala mal, mas não sabe como o povo cubano se sente. O sucesso ou insucesso não se mede por dinheiro, mas por satisfação popular. Por fim, peca por atacar o comunismo sem sequer saber o que é. O único argumento de quem ataca esse regime é sempre Cuba, esquece-se que na Europa, muitas potências emergiram em meio ao comunismo e ao socialismo e que, no caso de Cuba, o isolamento imposto pelos EUA é que é o verdadeiro responsável por sua estagnação econômica. Mais conjuntura, menos achismo. Mais leitura, menos preconceito, só assim um dia poderemos ter o direito de andar com armas sem medo da loucura de uns neuróticos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Satisfação da população cubana? Então porque muitos arriscam suas vidas tentando ir para o EUA? Não, mas eles estão muito satisfeitos com o governo intransferível de Cuba.

      Excluir
    2. Satisfação da população cubana? Então porque muitos arriscam suas vidas tentando ir para o EUA? Não, mas eles estão muito satisfeitos com o governo intransferível de Cuba.

      Excluir
    3. Peraí. Ou o capitalismo é coisa do diabo e Cuba é comunista e feliz; ou os EUA malvadões isolaram Cuba do livre-mercado (capitalismo) e "causaram sua pobreza". Não dá pra ter as duas coisas. Mas mente de "revolucionário" é isso aí.

      Excluir
    4. Como assim "o isolamento imposto pelos EUA é que é o verdadeiro responsável por sua estagnação econômica"? Não foi a dita Revolução Cubana de 1959 que enxotou o capitalismo americano da ilha prisão?
      Argumento mais furado. Afinal os cubanos residentes nos Estados Unidos enviam milhões de dólar anuais para familiares em Cuba. E o embargo americano não impede o comércio de Cuba com outros países e até com empresas norte-americanas, logo, não pode ser culpado pelas mazelas econômicas da Ilha Presídio.

      Excluir
  3. tem gente defendendo a merda do comunismo. 'meu deus kkkk !

    ResponderExcluir

1. Seja polido;

2. Preze pela ortografia e gramática da sua língua-mãe.