quarta-feira, 8 de outubro de 2014

Eleitor de Luciana Genro é endinheirado. Ela chegou a 6% dos votos nas mesmas áreas onde Aécio venceu. Rico quer expiar as culpas por sua condição social elevada


Com discurso favorável a uma maior distribuição de renda, direitos das minorias e taxação das grandes fortunas, a presidenciável do PSOL, Luciana Genro, chegou ao quarto lugar nas eleições deste domingo (5) com votos alavancados pelas regiões mais ricas do país.

Em autoavaliação, ela diz que o partido precisa "se enraizar" nos "setores mais empobrecidos da população".

Nas regiões Sul e Sudeste, a candidata obteve porcentagem de votos acima da média de 1,5% da votação nacional. De um total de cerca de 1,6 milhão, 554 mil vieram do Estado de São Paulo. No Norte e Nordeste, ela não chegou a 0,9%.

Na capital paulista, onde Luciana levou 3,3% dos votos, sua maior proporção de eleitores estavam nas zonas eleitorais de Pinheiros e Perdizes, bairros de classe média alta. Nesses locais, ela obteve quase 5%.

"Falta o PSOL conseguir chegar de forma mais intensa em todos os eleitores", disse Luciana à Folha nesta segunda (6).

"Não é casual que a gente tenha uma votação maior nos grandes centros urbanos e na população com maior renda, mas é porque essa população tem um acesso mais facilitado à informação, principalmente através da internet."

Ela voltou a criticar o tempo de televisão no horário e a falta de uma cobertura jornalística igualitária pela falta de disseminação de sua candidatura e afirmou que priorizou fazer campanha em setores em que tem "maior penetração e enraizamento partidário".

"O processo de enraizamento nos setores mais empobrecidos da população é mais complexo, porque a gente disputa nesse segmento com o poder econômico de forma muito contundente", disse, acrescentando que concorreu com "candidatos que compram lideranças das comunidades para fazer campanha para eles" e "programas como o Bolsa Família que, infelizmente, são utilizados como moeda de troca eleitoral".

A ex-presidenciável comparou sua legenda aos primeiros anos do PT. "Quando era oposição, o PT também tinha apoios significativos dos setores médios, mais do que os setores pobres, que apoiavam o [ex-presidente tucano] Fernando Henrique", afirmou.

Para a ex-deputada federal e filha do governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro (PT), a campanha do PSOL atraiu um público jovem e dos grandes centros urbanos a partir de "um programa de mudanças estruturais" e "defesa dos direitos civis, como a pauta da luta contra a homofobia".

Parte dos temas também foram defendidos pelo candidato do PV, Eduardo Jorge, que ficou com 0,6%. Luciana diz que a diferença se deu porque "não se pode ser consequente em defesa de pautas progressistas se aliando a setores conservadores", em referência à participação do ex-adversário nas administrações de José Serra (PSDB) e Gilberto Kassab (PSD) na prefeitura de São Paulo.

Até esta quarta-feira (8), o PSOL deve anunciar se apoia a candidatura de Dilma Rousseff (PT) no segundo turno ou se mantém neutralidade. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

1. Seja polido;

2. Preze pela ortografia e gramática da sua língua-mãe.