domingo, 14 de junho de 2015

Clóvis de Barros Filho e Mario Sérgio Cortella são filósofos?

Por André,

LEIAM O EPISÓDIO 2 DESSA POSTAGEM.

Clóvis de Barros Filho é o novo modismo filosófico das redes, seu vídeo sobre "ter culhão" circula por aí, bem como sua mais recente entrevista ao Jô Soares. Há muito o que se destacar.



Voz empostada, postura teatral, diversos palavrões (ah se fosse um vídeo do Olavo de Carvalho falando palavrão...), qual é a do Clóvis? Será que filosofia é isso mesmo?

A tensão entre ser "didático" e simplificar alguma área específica do conhecimento para que o maior número de pessoas entenda e ficar preso aos termos e conceitos herméticos dessa área não é de exclusividade da Filosofia.

Nas ciências duras é a mesma coisa: os chamados "divulgadores" muitas vezes sequer são considerados cientistas por aqueles que trabalham nos laboratórios (nem mesmo o simpático e carismático Carl Sagan, que teve sim trabalhos científicos relevantes para a astronomia escapa da pecha). A acusação nem sempre é justa e muitas vezes o que está em jogo é uma mera questão de ego: enquanto as descobertas dos cientistas de laboratório ficam restritas à comunidade científica, os livros e as aparições públicas dos divulgadores alcançam um público bastante vasto.

Meu problema com os supostos divulgadores da Filosofia como Clóvis de Barros e Mario Cortella está no meio termo entre as duas coisas. Quando me convidarem para participações públicas atreladas à Filosofia eu certamente irei aceitar.

Contudo, acho que falta a esses divulgadores confiar a seus leitores e espectadores que são divulgadores e que o que praticam não é exatamente Filosofia. Comparar Chaves e Lady Gaga com reflexões filosóficas pode ser interessante, mas não é Filosofia e não pode ser comparada à análise cuidadosa de textos clássicos, por exemplo.

A postura de ambos lembra mais a dos sofistas, que eram oradores e retóricos hábeis e fazem disso um canal para a venda de livros e palestras do que filósofos propriamente ditos.

--

ADENDO DE 13/03/17


Eu não nego que Karnal, Cortella e Clóvis possam, eventualmente, dizer algo que preste. Para citar o cliché: até relógio parado acerta duas vezes ao dia.

Um dos meus pontos é: qualquer um bem treinado pode dizer as trivialidades que eles dizem. Médico, advogado, engenheiro, eletricista ou pedreiro.

O problema é que eles se vestem de filósofos - usando da aura que isso confere quando repetido ad nauseam - tanto para travestir essas trivialidades de coisas profundas como para enganar os bobos que pagam por suas palestras.

59 comentários:

  1. Ufa. Enfim, finalmente, uma voz concordante.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. Porquê, chamá-lo de filósofo?
      Alguns cursos ministrados por Barros Filho:
      Filosofia dos Mitos
      Obras Fundamentais da Filosofia
      Quatro Obras Fundamentais da Filosofia
      Tempo: mas se você me perguntar o que é, aí eu já não sei mais
      O Mal: se Deus existe, como justificá-lo?
      Ethique à l'Unesco
      A Filosofia da Suspeita
      Íon, o Significado do Dizer Verdadeiro
      A Filosofia Explica as Grandes Questões da Humanidade
      Cinco Razões Para Não Ser Podre de Rico
      Amor, uma Visão Filosófica
      Grandes Questões da Humanidade
      Por que Ensinar Autoajuda é um Oximoro
      Outras Grandes Questões da Humanidade
      Relações Humanas: um Novo Olhar
      Dominação Simbólica, Servidão Voluntária
      Visões Filosóficas do Amor em "O Banquete" de Platão
      Ética e Vergonha na Cara
      Grandes Questões da Humanidade
      Os Pensadores
      O Executivo e o Martelo
      Corrupção: Parceria Degenerativa
      O Amor em Rilke
      Ética e Vergonha na Cara
      Pensamento Antigo x Pensamento Moderno
      Devaneios Sobre a Atualidade do Capital
      A Contra-História da Filosofia
      Valor para Canalhas
      Amor, Filosofia e Poesia
      A Vida Que Vale a Pena Ser Vivida
      Oficina de Filosofia
      Vale a pena você ver os livros publicados por ele também.

      Excluir
    3. Escrever e publicar é fácil. Mas essa produção é relevante na área? Tem algo inovador nessa bibliografia ou é mais do mesmo? Tudo mais do mesmo. Clovis carrega nas costas as grifes boudier e sourbonne e cortella a grife paulo Freire. Hj ganham dinheiro vendendo palavras bonitas q em muitos momentos podem ser confundidas com auto ajuda. Nesse caso pode ser perfeitamente enquadrados como sofistas, considerando q cobram 50 mil/palestra . Mérito desproporcional ao q realmente sao. Vejo mais mérito deles no ideário popular q o Paulo Freire, por ex. Acho que isso está meio errado..

      Excluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. É um meio de divulgação a forma pela qual manifestam o conhecimento filosófico, do que adianta ter os escritos de Kant, se ninguém entende bulhufas do que o filosofo escreve, é um meio de expandir um campo que é tão mal visto dando exemplos do cotidiano. Na verdade é até louvável que eles consigam expandir as suas opiniões, dissertações e teses no campo acadêmico que ficam exposto apenas para a banca e nada mais do que isso. E além disso é ínfimo os argumentos que você traz contra eles, parece mais um ressentimento do que algo provável e que contenha razão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Palmas!!! Faço minhas as suas palavras.

      Excluir
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    3. Concordo, o tio Clóvis torna compreensível todo esse material filosófico.

      As explicações simples e mirabolantes do Clóvis levam muitos a compreensão de alguma centelha do que é filosofia. Estudar obras de Kant pode vir (ou não) como consequência disso.

      Excluir
    4. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
  4. Então deixe de ver as entrevistas pelas quais eles claramente estão divulgando seus novos livros, como por exemplo o programa "Todo Seu" onde ambos foram este ano para divulgar seus livros. Quer ver um real exemplo de sufismo? Creio que o autor deste tópico esteja invejando claramente a voz dada à estes filósofos e não a si, o que feriu seu ego, ao constatar, após superficiais análises por curtos vídeos virais na internet, que eles receberam atenção que este autor julgava merecer, e discorre em seu blogue, utilizando-se de sufismo também, já que a análise não foi do trabalho editorial ou acadêmico dos alvos de sua crítica, mas as aparições superficiais já citadas. Parafraseando Olavo de Carvalho "Filósofo é aquele que tem algo a dizer" e acrescento, sem achismos, retórica ou "Recalque" (Valesca Popozuda).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. enfiou Olavo de Carvalho no meio, pode jogar fora ou colocar de quarentena que está contaminado com uma das piores pragas do universo, o primeiro sintoma é a arrogância, mas termina com ressentimento, ódio e uma verborragia estéril que dá ânsia de vômito.

      Excluir
  5. Professor Clovis é um homem sábio. Mas nada precisa se dizer. Abraços

    ResponderExcluir
  6. Professor Clovis é um homem sábio. Mas nada precisa se dizer. Abraços

    ResponderExcluir
  7. Veja o currículo do professor no site da USP, e veja o CONTEÚDO de suas análises e reflexões, bem como seu profundo conhecimento da história da filosofia.
    Comparar Clóvis a Olavo por conta dos uso de palavrões é comparar a forma e não o conteúdo (raiz da sabedoria e do amor à ela - filosofia). De forma simples, Olavo é pragmático e intolerante, e Clóvis, questionador e profundo racionalizador, sem qualquer demérito ao primeiro. Mas são muito diferentes, seja em forma, seja em conteúdo.

    Levantar um questionamento sem se dar ao trabalho de apreciar a ação de alguém tão inteligente e mundialmente reconhecido, simplesmente questionar sem conhecimento, questionar pelo ato em si, caracteriza-se por ressentimento com algo ou alguém ou simplesmente, dor de cotovelo mesmo. Ou falta de projetos próprios desafiadores que lhe ocupem o tempo de uma forma mais proveitosa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mundialmente reconhecido? ????? Menos, amigo! 50 mil por palestras para reproduzir conhecimento - ele tem muitas produções, mas nd relevante na área! !!

      Excluir
  8. Daí eu olho ao lado e vejo Instituto Mises e uma referência à suposta "doutrinação" nas escolas, e um ícone sobre Liberalismo e me pergunto, será mesmo a forma ou é o conteúdo - notadamente mais progressita que nossos autores liberais - destes Filósofos que incomoda o autor do texto? A citação de Olavo no corpo do texto não deve ser um ponto fora da curva...

    ResponderExcluir
  9. Pautar-se, como faz o autor, em míseros vídeos pinçados na Internet, para aquilatar o valor de um Barros Filho e de um Cortella, é o mesmo que fazer uma avaliação daquele pela foto pueril exposta no perfil, acima! Ambos os dois são, sim, filósofos - e muitos mais títulos, merecidamente. Se se levar em consideração, então, o sofrível nível acadêmico-educacional brasileiro, são ETs! Engrosso a lista, sim, com o professor Olavo. Sempre à maneira dele - e aí não comete pecado nenhum! -, passeia por diversos temas com total propriedade. Convém nos atentarmos além de um palmo do próprio nariz.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Ambos os dois" foi sofrível!

      Excluir
    2. "Ambos os dois" foi sofrível!

      Excluir
  10. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  11. Caro André, acredito que você deva dar uma olhada na produção acadêmica dos dois alvos de sua crítica. Claro, é possível questionar e discutir arguições públicas de qualquer um e, sim, é lícito discordar de seus modos. Só penso que não seja justo dizer que esses dois não são filósofos. Ninguém chega a ser livre docente pela USP de graça. Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Chega sim Márcio guedes. Concurso pra docente em umiversidade publica nas decadas de 80 e 90 (atualmente menos) eram com cartas marcadas. Vc está muito confiante nas nossas intituicoes e o sistema adora manipular mentes suscetíveis assim... Esses autores são reprodutores de conhecimento.

      Excluir
  12. Eu também não gosto muito dessa ideia de "rasterizar" certos campos do conhecimentos somente para torná-los palpáveis a um público numeroso e indistinto. Até mesmo porque pode vir a transmitir uma impressão equivocada do que realmente trata determinadas ideias e pensamentos filosóficos. No entanto, não é isso que Clóvis faz, a meu ver! Ele busca desvendar, "dar as chaves do castelo" como o mesmo diz, para que a partir disso seus alunos o desbravem. Permite que os alunos experimentem "o gostinho" da coisa para poderem se sentir inclinados a explorar um universo infinitamente mais amplo. Já o Cortela, a meu ver, é mais o estilo "pop", mais "auto ajuda" que busca levar a filosofia às questões da vida, de uma maneira mais "bonitinha", e eu não gosto muito disso (embora reconheça seu conhecimento e competência).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. qual o problema de rasteirizar o conteúdo e torná-lo compreensível à todos?! filosofia é aquilo que se escreve e não se compreende?!
      ahahahahahahaha

      Excluir
    2. Pode distorcer o que foi dito originalmente. Leia o comentário direito. Eu não concordo com a ideia de que a tentativa não seja válida por conta do risco de fracasso, mas você não chegou nem nesse ponto do que o cara disse. Leia e intérprete, fera!

      Excluir
    3. Se fosse simples a filosofia não precisava dos conceitos complexos. Portando rasteirizar é dar a falsa ideia da compreensão.

      Excluir
  13. Olá André. Sou engenheiro e sempre achei que filosofia era horrível de se estudar e dificílima de entender. O Clóvis, o Olavo e o Cortela conseguiram despertar meu interesse por essa área. Por causa deles busquei um pouco mais de conhecimento sobre Platão, Sócrates e Aristóteles, por enquanto. Hoje, consigo muitíssimo modestamente conectar pensamentos de filósofos com a vida moderna, desde a religião até a engenharia. É uma dádiva tê-los conhecido. Continuam fazendo a diferença em minha antes e depois deles. Um fraterno abraço. José Luiz

    ResponderExcluir
  14. Porquê, chamá-lo de filósofo?
    Alguns cursos ministrados por Barros Filho:
    Filosofia dos Mitos
    Obras Fundamentais da Filosofia
    Quatro Obras Fundamentais da Filosofia
    Tempo: mas se você me perguntar o que é, aí eu já não sei mais
    O Mal: se Deus existe, como justificá-lo?
    Ethique à l'Unesco
    A Filosofia da Suspeita
    Íon, o Significado do Dizer Verdadeiro
    A Filosofia Explica as Grandes Questões da Humanidade
    Cinco Razões Para Não Ser Podre de Rico
    Amor, uma Visão Filosófica
    Grandes Questões da Humanidade
    Por que Ensinar Autoajuda é um Oximoro
    Outras Grandes Questões da Humanidade
    Relações Humanas: um Novo Olhar
    Dominação Simbólica, Servidão Voluntária
    Visões Filosóficas do Amor em "O Banquete" de Platão
    Ética e Vergonha na Cara
    Grandes Questões da Humanidade
    Os Pensadores
    O Executivo e o Martelo
    Corrupção: Parceria Degenerativa
    O Amor em Rilke
    Ética e Vergonha na Cara
    Pensamento Antigo x Pensamento Moderno
    Devaneios Sobre a Atualidade do Capital
    A Contra-História da Filosofia
    Valor para Canalhas
    Amor, Filosofia e Poesia
    A Vida Que Vale a Pena Ser Vivida
    Oficina de Filosofia
    Vale a pena conhecer os livros publicados por ele também.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ter obras publicadas nd diz. Agora ter obras reconhecidas são outros quinhentos. Cortella tem um reconhecimento maior q o Paulo no ideario popular e isso e mercadologico. Enquanto Paulo Freire (seu orientador no doutorado) fez trabalhos de alfabetização no sertão nordestino, ajudou a estabelecer planos de alfabetização em países africanos e asiáticos, cortella,totalmente vendido ao sistema opressor e alienante, da palestra a 50 mil reais no banco do Brasil de motivação trabalho!! Vender conhecimentos que em muitas vezes sao auto ajuda pode ser perfeitamente definido como sofismo ao meu ver. Me incomoda ele se auto intitular pesquisador um educação sendo q nunca pisou numa escola pública e cobrar 50 mil para falar. Prega democratização do conhecimento e cobra 50 mil? comum aliás me incomoda ele se intitular Esses filosofos pop nd mais sao q bons oradores que carregam um merito desproporcional.Resumindo o cortella: otimo orador motivacional, sem produção acadêmica relevante (mais do mesmo), não confronta nd no sistema (político ). Seria muito bom ter ele na ONU. Na educação não. Na educação precisa de combatentes. Ele não choca com o sistema. Tanto é q o sistema está dando corda p ele...

      Excluir
  15. Ridícula essa ''análise'' quis falar da suposta não filosofia, de uma forma pobre e sem embasamento, meio que joga o achismo pro ar de deixa por isso mesmo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pior ainda foi a sua crítica. Vc tb nd disse !

      Excluir
  16. Eita Andre. Responda a este pessoal, rapaz ...

    ResponderExcluir
  17. Bem, eu não vejo nenhum dos dois como sofistas.Quanto ao Prof. Clóvis da USP eu não sei se vocês notaram, mas seu repertório tem três públicos alvo distintos. Palestras livres, EspaçoEtica e USP. Podemos dizer também que no caso do Prof. Clovis não infringe qualquer código de conduta e que o que vale mesmo é o método pedagógico pois ele jamais foi chamado pelo conselho departamental do ECA da USP para se explicar.Afinal é justamente sua introversão que mantém os alunos interessados e acordados.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vender conhecimento que ele n produziu a 50 mil e muitas vezes esse conhecimento ser confundido com auto ajuda n ser sofismo então eu tou louco...

      Excluir
  18. Interessante, nos mini currículos que vejo dele estão escrito: advogado, jornalista e professor da USP... quando ele está dando aula, palestra ou entrevista ele não está filosofando, por mais ou menos filósofo que seja...
    Agora se por alguma obra de filosofia pessoal própria ele também tem o título de filósofo... qual o problema!?!?

    ResponderExcluir
  19. Claro que são filósofos! Todo mundo é filósofo! Agora, ser formado em curso superior de filosofia, é outra coisa. O que também não quer dizer nada, uma vez que é comum a formação acadêmica emburrecer mais do que ensinar. Suspeita-se que Shakeaspeare, um dos maiores gênios que a humanidade já produziu, sequer chegou perto de uma faculdade. Como bom filósofo, questione-se pra ver se essa crítica não é dor de cotovelo pelo invejável e genuíno entusiasmo que Clóvis demonstra em suas palestras, aulas e entrevistas...

    PS: O Cortella eu não conheço...

    ResponderExcluir
  20. Meu amigo, acho que tu estás querendo te promover, criticando as pessoas erradas. Clóvis e Cortella, sem palavras. Humildade para reconhecer a inteligência destes dois mestres é o melhor caminho pra tu seres levado a sério. Abraço!

    ResponderExcluir
  21. Meu amigo, acho que tu estás querendo te promover, criticando as pessoas erradas. Clóvis e Cortella, sem palavras. Humildade para reconhecer a inteligência destes dois mestres é o melhor caminho pra tu seres levado a sério. Abraço!

    ResponderExcluir
  22. Fico espantado com a forma como algumas pessoas sentem prazer em criar polêmicas para se promover. O vídeo "Sobre ter Culhão" não é uma palestra nem uma aula. Se trata do final de uma aula de ética, onde o Professor Clóvis intima seus alunos a irem além da sua aula - a se aventurarem eles mesmos nas teorias que ele ensina inevitavelmente de forma simplificada e resumida. E, apesar de não concordar nem um pouco com os palavrões, concordo que não dá pra motivar ninguém a se desafiar com conselhos acolhedores - tem que ser na raça mesmo. Para mim, o que eles fazem mesmo é promover o interesse pela filosofia, e isso, por si só, já é quase um serviço prestado. Os caras falam sobre assuntos complexos, embasados nos mais diversos teóricos, sem precisar repetir os autores, mas, cada um da sua própria forma. Escreveram, inclusive, livros sobre política, ética, etc. E vem me dizer que o que fazem não é filosofia...

    ResponderExcluir
  23. O cara APENAS foi orientado pelo Bourdieu!
    Tive aula (de verdade, 2 semestres) em classe com ele e posso te dizer: sim, ele é um filósofo e um amante do pensamento crítico e do conhecimento. É desserviço tentar tirar o mérito de um cara desses, sério!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. No lattes dele n consta q ele foi.orientado pelo bourdieu. Consta q ele fez.mestrado na Sorbonne e fez doc.na usp sobre a teoria de.bourdieu.

      Excluir
    2. Essa informação n consta no lattes dele. Só consta q fez mestrado em Sorbonne e doc na usp sobre a teoria do bourdieu. Isso q vc disse p mim é fato. No meio acadêmico cortella e clovis estão nas sombras do bourdieu e freire, respectivamente. Bourdieu e freire tiveram contribuiçoes signicativas nas suas áreas do conhecimento. Cortella e clovis são reprodutores. Favor derrube meu argumento mostrando uma produção relevante na área do saber deles. Não digo q n têm conhecimento. Digo q são mercadologicos.

      Excluir
    3. Idolatria é um desservico!

      Excluir
  24. Nao precisava dessa analise, Clóvis deixou claro em entrevista que nao se considera filosofo e sim um professor (disse: existe muita gente mais competente que eu para filosofia, oq eu sei fazer é ler algo difícil e explicar para o leigo de um jeito fácil)

    ResponderExcluir
  25. Texto de quem não conhece o Clóvis nem o Cortella.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pq n? Vc n argumentou. O q vc fez o meu papagaio faz...

      Excluir
  26. Muito simples : Pegue algum (1 apenas já basta de início) tema que você considera que foi copiado (por um, pelo outro ou por ambos) e exponha aqui para que a galera possa julgar por sí mesma. Também quero saber o resultado.

    ResponderExcluir
  27. Muito simples : Pegue algum (1 apenas já basta de início) tema que você considera que foi copiado (por um, pelo outro ou por ambos) e exponha aqui para que a galera possa julgar por sí mesma. Também quero saber o resultado.

    ResponderExcluir
  28. Relevante são os livros de astrologia e de difamação do Olabosta.

    ResponderExcluir

1. Seja polido;

2. Preze pela ortografia e gramática da sua língua-mãe.