domingo, 27 de setembro de 2015

Os arrastões no Rio de Janeiro e o que deveria ser a pá de cal definitiva nas narrativas de esquerda sobre a criminalidade

Por André,

Edith Leal sendo vítima de um menor do idade em praia do Rio de Janeiro

Antes, aproveito o ensejo para retomar meu ponto de que o debate público brasileiro, importando (mais uma vez) uma estratégia gestada pela esquerda universitária americana: a estratégia do reforço de narrativas, conforme pode ser lido na postagem que expliquei o modus operandi.

A esquerda acadêmica e limpinha não tardou em tentar reforçar sua narrativa fajuta de conflito de classes onipotente para explicar os arrastões: os menores criminosos, vítimas da sociedade capitalista consumidora, são levados pela mão invisível da mesma a cometer crimes, pois, do contrário, são incapazes de comprar o celular que a auxiliar de escritório Edith Leal, com seu salário inferior a um mil reais, comprou.

Que a esquerda tente relativizar a criminalidade de rua não é lá nenhuma novidade. Ou que nesses casos inverta o polo da culpa, fazendo das vítimas os verdadeiros algozes:


Contudo, há duas peculiaridades nesse caso que deveriam levar as narrativas de esquerda sobre a criminalidade para seu lugar natural: o lixo. Primeiro, o depoimento da própria roubada, uma civil regular que aproveitava algum momento de folga na praia e portava seu celular. A narrativa dos "ricos ostentadores" que, quando vitimados por arrastões, isso nada mais é que merecido e uma forma alternativa de redistribuição de renda, a ideia que é apenas a elite branca sofrendo com o sistema que ela mesmo criou. Leiamos o que a auxiliar de escritório revelou em seu perfil no Facebook:

Nunca fui de expor a minha vida em redes sociais, principalmente no Facebook e quem me conhece sabe, mas após tanta polêmica, senti necessidade de dizer. Pra quem não sabe, evidentemente sou eu a "elite branca" que QUASE foi assaltada como mostra a foto que está rodando na internet. Sou auxiliar de escritório e moro em nilopolis, meu salário não passa de $1000,00, mas NÃO TENHO E NUNCA TEREI VERGONHA DISSO!!! Cresci aprendendo que roubar é pecado (sou evangélica) e crime. Independente da minha classe social eu não merecia ser roubada. Comprei meu celular, tenho nota fiscal E PAGUEI POR ELE!! Obrigatoriamente pago meus impostos (pois já vem descontado no meu contra cheque) então isso me da o direito de andar ONDE EU QUISER E COLOCAR MEU CELULAR, QUE EU PAGUEI, ONDE QUISER!!! Claro que por um descuido, acabei colocando no bolso de trás, facilitando o QUASE FURTO (com ajuda policial e graças a Deus recuperei meu celular). Li alguns comentários justificando o ato do ladrãozinho, por ele ser da "classe social menos favorecida". Peço à esses que concordam com isso, que leiam a matéria que o "menor" fez a um jornal. Lá conta que ele está solto e como ele mesmo disse "famoso" e que não sabe se voltará a roubar, mas que se ele "andar na linha", ganhará uma bicicleta e um celular novo da mamãe. O engraçado é que há sempre um brasileiro mal informado defendendo ele, por ser pobre, então se for seguir por esse raciocínio ME DEFENDA! Quero cursar medicina e não tenho dinheiro pra pagar, por esse motivo, se eu roubar pra pagar, tbm serei perdoada? Se alguém concordar com isso nem precisarei roubar, mas por favor, anote o número da minha conta e faça o depósito mensal do valor da facul, já que só roubando se é vitima do governo. Essa hipocrisia está me enojando!!! E pra finalizar, eu perdoei sim o ladrãozinho, (como havia explicado, pela graça de Deus eu e o Alan estamos com saúde e recuperei meu celular, penso que por isso, não criei sentimentos ruins por ele) mas isso não muda o fato de que ele DEVERIA/DEVE ser punido pelo governo e ser julgado como ADULTO, assim como eu, já que ele sabia que o que fez foi errado (quando foi capturado, me pediu desculpas e tudo, eu com raiva, só o xingava). Li comentários de pessoas que culpavam a mãe por não te-lo "criado bem" outros culpavam o estado por não educar e motivar os alunos, e li comentários que me culpavam por colocar o celular no bolso de trás, rs. EEI A CULPA É DELE PRÓPRIO!! Todo mundo conhece exemplo de situações que a mãe era justa e o filho ainda assim "andou pro mal caminho"; alunos de colégio público que são e foram sempre íntegros a vida inteira (meu pai é um exemplo vivo); e pera lá, dizer que o roubo foi justificado porque coloquei o celular no bolso de trás é o mesmo que dizer que uma mulher deve ser estuprada por usar short jeans ou uma camisa decotada. Enfim, não estou querendo 15 minutinhos de fama (até porque eu não fiquei em porta de emissora nenhuma pedindo pra rodar minha matéria. Pelo contrário, quando me ligaram pra me entrevistar, tiveram que insistir porque eu não aceitei de primeira. Na verdade nem tinha tomado conhecimento de toda essa repercussão, até ser notificada por uma amiga que havia me reconhecido pelo cabelo, correndo no vídeo mostrado no domingo) só quero deixar aqui um desabafo de toda minha revolta e indignação com as leis brasileiras que defendem um bandido o chamando criança que não pode responder pelos seus atos porque "não sabe o que faz". Terminando, só mais uma pergunta: Se ele não responde por seus atos, seus pais não respondem pelos atos dele e o governo tbm não, quem é que vai responder, eu?

E há ainda as declarações do próprio meliante que praticou o furto: o mesmo o fez "por prazer" e não por qualquer necessidade impingida pela sociedade. A mãe do menor garantiu que o mesmo "tem de tudo" e que teve a oportunidade até mesmo de estudar numa escola particular. 

Toda narrativa é ou completamente falsa ou recheada de elementos fictícios, portanto, argumentos lógicos e estruturados provavelmente não são o melhor remédio contra as mesmas. Ademais, diversos argumentos podem ser oferecidos não apenas contra as atuais narrativas, mas contra os próprios argumentos da esquerda, contudo, reforço que o que de melhor pode ser oferecido contra o pensamento da esquerda, o melhor e definitivo antídoto é a realidade mesma. Apenas para as mentalidades afetadas pelo histrionismo ideológico o sociologismo barato de esquerda seguirá vivo, para as demais pessoas, cujas faculdades mentais estão livres e em pleno funcionamento, as historietas da esquerda voltarão ao lixo das ideias.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

1. Seja polido;

2. Preze pela ortografia e gramática da sua língua-mãe.