quinta-feira, 3 de março de 2016

Breve nota sobre Donald Trump, seu endosso e conservadorismo

Por André,

Aos trumpetes:

- Sim, Trump é um empresário de sucesso (pairam dúvidas sobre o valor exato de sua fortuna, cujo número, segundo ele próprio, varia de acordo com o seu humor, mas ok). Isso é muito bom.
- Sim, Trump "fala o que pensa" e isso é bom. Isso é bom.
- Sim, Trump tem pocionamentos firmes sobre imigração e sobre muçulmanos. Isso é bom.
- Sim, Trump é politicamente incorreto. Isso é bom.

A questão não é sobre esses pontos ou se isso é bom, a questão, PARA MIM, é: isso é SUFICIENTE? Isso é suficiente quando temos no contra-peso:

- Financiador de candidatos e causas esquerdistas.
- Praticamente de capitalismo de conchavos.
- Posições pró-aborto (sendo que num acesso de trumpismo radical Ann Coulter disse que Trump poderia praticar abortos na Casa Branca se Trump mantivesse sua palavra sobre imigração).
- Posições favoráveis ao ObamaCare e outras formas de medicina socializada.
- Posições dúbias sobre o direito ao porte de armas.
- Não, Trump não é tão "tough" quanto você pensa que é. Não acredite em tudo que ele disse nos últimos seis meses, estamos falando do sujeito com uma preocupação histérica com o tamanho dos seus dedos.
- Apoio de um tiranete comunista como Putin e seu ideólogo Dugin.
- Afirmou neutralidade no conflito entre Israel e Palestina.

A resposta pra mim é: NÃO. Se pra você é, ok, mas as credenciais conservadoras de NINGUÉM podem ser questionadas por não simpatizar com o candidato que já foi (ou é) a favor de tudo listado acima.

Claro que tudo isso pode ser relativizado ("ah, eu acho que ele vai fazer diferente", "ah, pra guerra política tudo isso não faz diferença", "ah, o que importa é a imagem que ele transmite e não a substância do que ele defende"). Trump é, na melhor das hipóteses, um conservador de última hora. Se você está ok com isso, maravilha, eu não estou. Como disse Marco Rubio, recém-conversos são sempre bem-vindos, mas eu não aceito dar esse salto de fé. Só tenho duas coisas a dizer:

- Cuidado com a "character politics": Obama foi eleito porque era "o político negro", Lula porque era "o político do povo", vai apoiar incondicionalmente um cara que NÃO TEM CREDENCIAIS CONSERVADORAS porque ele é um "político durão"? Por que "has balls"? Sério mesmo que vai trocar a defesa no mundo real de causas conservadoras por isso? Se sim, ok, mas isso me leva ao segundo ponto.

- O conservadorismo de qualquer um que não apoie Trump não pode ser posto em xeque. Se alguns conservadores não querem apoiar um candidato incapaz de responder a pergunta de Megyn Kelly no primeiro debate "quando você começou a ser um republicano?", não são eles que devem estar com a coerência e fidelidade política em questão. Glenn BeckBen Shapiro, National Review, Bill Kristol e tantos outros não são menos conservadores apenas porque relutam em apoiar um cara durão que quer simplesmente ser presidente dos EUA.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

1. Seja polido;

2. Preze pela ortografia e gramática da sua língua-mãe.