domingo, 19 de fevereiro de 2017

Disforia de gênero é um problema psicológico, mas programa de Fátima Bernardes quer tratar como escolha de crianças de 3 anos

Por André,



O programa da Fátima Bernardes "versou", no dia 17 de fevereiro, sobre "crianças trans" - não quero abusar das aspas. O vídeo tem 27 minutos. Destaco apenas alguns pontos:

1. A apresentadora afirma trazer o assunto porque é tabu e o problema acomete muita gente. Em seguida, ela mesma traz estatísticas: 1 caso a cada 100 mil homens; 1 caso a cada 400 mil mulheres. Muita gente?!

2. No início do programa, o psiquiatra convidado afirma que os profissionais do ambulatório de transtorno de identidade de gênero e orientação do Hospital das Clínicas de São Paulo não interferem (suponho que não influenciem de forma alguma) nas escolhas da criança - "ninguém vai operar a criança, ninguém vai dar hormônio". Será? Então, em seguida, o ator pergunta: "quando começam a interferir?". A resposta é clara e dá o que pensar: "com o começo da puberdade". Ou seja, no momento mesmo em que um processo natural se inicia, o médico vai lá e...pimba!, interrompe - com o quê? Para quê? Por que tal informação é veiculada nas "entrelinhas"?

3. Deixando de lado o apelo emocional do programa (na televisão brasileira, seja aberta, seja fechada, não há programa que não apele ao emocional), podemos trazer o que diz a American College of Pediatricians:

"A crença de uma pessoa de ser algo que ela não é, na melhor das hipóteses, é um sinal de pensamento confuso. Quando um menino biologicamente saudável acredita que é uma menina, ou uma menina biologicamente saudável acredita que é um menino, existe um problema psicológico objetivo, que está na mente, não no corpo, e deve ser tratado dessa forma. Essas crianças sofrem de disforia de gênero, formalmente conhecida como transtorno de identidade de gênero, uma desordem mental reconhecida na edição mais recente do Manual Diagnóstico e Estatístico da American Psychiatric Association. A psicodinâmica e as teorias de aprendizagem social dessa desordem nunca foram refutadas."

O assunto é tabu porque há uma razão para ser tabu: é um transtorno. O que se espera de um canal de televisão, que é uma concessão pública e líder de audiência, é que o assunto seja debatido, não enfiado goela abaixo - e logo pela manhã. Por que não levaram médicos que discordam da abordagem do psiquiatra?
Ainda segundo a American College of Pediatricians, e agora falando de adultos, "as taxas de suicídio são vinte vezes maiores entre adultos que usam hormônios do sexo oposto e passam por cirurgias de mudança de sexo, mesmo na Suécia, que é um dos países de maior ação afirmativa LGBQT. Que pessoa razoável e compassiva condenaria crianças a esse destino, sabendo que depois da puberdade 88% das meninas e 98% dos meninos aceitarão o seu sexo real e terão saúde física e mental?".

O dr. Paul R. McHugh, ex-psiquiatra chefe do Hospital John Hopkins e autor de seis livros e tantos outros artigos médicos, considera "transgenerismo uma desordem mental" que requer tratamento. Ele também confirma o alto índice de suicídios entre os transgêneros e reforça o que a American College of Pediatricians enfatizara sobre o abandono das tendências transgêneras pelas crianças de maneira espontânea. Ele cita estudos realizados pela Vanderbilt University e London’s Portman Clinic: 70% e 80% de crianças que apresentaram sentimentos transgêneros, com o tempo, perderam espontaneamente esses sentimentos.

Ao final do programa, para variar em encontros progressistas, a pessoa é "do bem" quando concorda com o que eles, os progressistas como Bernardes apresenta - ou a Globo, se preferirem - dizem.

E preparem-se, pois ela prometeu mais programas com o assunto.
Interromper quimicamente a puberdade de uma criança, seja com que desculpa for, é abuso de menores - em dado momento do vídeo, o médico chama seu local de trabalho de "laboratório". Bem a calhar.

Links:

Transgender Surgery Isn't the Solution (conteúdo pago):
https://www.wsj.com/…/paul-mchugh-transgender-surgery-isnt-…
.
Johns Hopkins Psychiatrist: Transgender is ‘Mental Disorder;' Sex Change ‘Biologically Impossible’:
http://www.cnsnews.com/…/johns-hopkins-psychiatrist-transge…
.
Associação de pediatria dos EUA declara-se formalmente contra a ideologia de gênero:
http://www.semprefamilia.com.br/associacao-de-pediatria-do…/
.
Primeira parte do documentário norueguês "Lavagem cerebral" - "O paradoxo da igualdade":
http://www.andreassibarreto.org/2013/11/o-paradoxo-da-igualdade-o-problema-da.html

Link para o programa "Encontro com Fátima Bernardes":
https://www.youtube.com/watch?v=8zXytBHCbRA

Nenhum comentário:

Postar um comentário

1. Seja polido;

2. Preze pela ortografia e gramática da sua língua-mãe.