quarta-feira, 4 de outubro de 2017

Efeito borboleta, acaso e destino

Por André,



Estava eu, imerso em estudos de filosofia da religião, a ler objeções sobre o problema do mal. Eis que, então, me deparo com uma objeção ao "argumento do mal" em sua formulação clássica que até então desconhecia: eventos maus podem desencadear um "efeito borboleta" gerador de uma consequência infinitamente superior em bondade em relação ao evento mau que o causou. Exemplificam (e que exemplo!): o Holocausto, evento maligno cuja magnitude será difícil de igualar, desencadeou a formação do Estado de Israel, que tanto bem já legou à humanidade e, biblicamente falando, ainda tem façanhas gloriosas a concretizar. Ou seja: não há contradição entre bondade divina e eventos maus, pois, todo evento maligno pode estar concatenado a alguma consequência boa que o supera em larga escala. A explicação parece, a primeira vista, portanto, articular acaso (e se o soldado francês que teve Hitler na sua mira o tivesse matado?), destino (e se o mal ocorrido for parte de um plano para um bem futuro de proporções maiores?) e o efeito borboleta decorrente do fato.

Isso para dizer que, exista destino ou "exista" acaso (no meu entender o acaso sempre se converte numa espécie de destino - não no sentido de pré-determinação, mas no sentido de ser inescapável), macacos me mordam, como PARECE que há um destino agindo por aí. Certas coisas, mesmo quando corriqueiras e até simplórias, parecem felizes e harmoniosas demais para serem fruto do mero acaso (com a devida ressalva que é característica demasiado humana ver padrões onde não há). Ainda em exemplos mais banais: se seu pai não tivesse tropeçado na sua mãe aquele dia, você não estaria aqui hoje; consegue conceber, mesmo que em ideia, que tudo que você realizou até hoje na vida é consequência dessa obra do "acaso"?

P.S.: só usei as referências que usei para ilustrar a ideia (se há ou não "destino", parece que há), não se trata de defesa de nada que fora abordado (destino, direção pelo acaso, mérito do argumento etc).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

1. Seja polido;

2. Preze pela ortografia e gramática da sua língua-mãe.