sábado, 2 de junho de 2018

O esquerdismo é a politização total da vida

Por André,

Sempre que posso reforço uma mensagem em textos e palestras (e o livro que estou terminando de escrever toca centralmente nessa questão): uma excelente maneira de definir a esquerda é pelo grau de politização que esquerdistas querem e trazem para a vida comum. Gentes à esquerda do espectro político comem política no café da manhã, no almoço, no jantar e enquanto dormem. E quando tratam de assuntos não-políticos, é para furar as barreiras até onde a imaginação alcança e então politizar esses assuntos (videogames, futebol, humor, a piadinha que você conta pro seu vizinho etc. etc.). Essa tem sido a tônica da esquerda política nos últimos tempos, a tentativa (e em grande parte com sucesso) de criar um império do radicalismo político onde todas as questões da vida precisam passar pelo crivo da correção política.

A Universidade de Dartmouth realizou uma pesquisa interessante que veio a comprovar tanto a minha descrição, como refutar uma outra peça de propaganda dessa mesma esquerda que já se confunde com o próprio senso comum, a saber, que eles, a "esquerda", são os tolerantes e conservadores são as figurinhas fascistas, hostis e que desejam eliminar quem discorda deles.

Segundo o gráfico abaixo, os estudantes universitários identificados como "democratas" (considere a propensão da juventude democrata para votar em Bernie Sanders se acha exagerado chamar democratas de esquerdistas radicais) consideram que a divergência política é um critério definidor para uma série de coisas da vida comum que teoricamente tem pouco a ver com política.

82% não considerariam namorar alguém que diverge politicamente deles;

55% não seria amigos;

39% não confiariam;

23% não estudariam e

22% não fariam um trabalho em grupo com pessoas que divergem politicamente deles.

Notem também que republicanos têm números MUITO mais baixos que esses. Enquanto quase que 1/4 de democratas se negaria a estudar com um colega republicano, apenas 7% dos republicanos pensam da mesma maneira!

Não é por acaso que o youtuber libertário Dave Rubin afirma que adoraria ser convidado por grupos de estudos de democratas para fazer debates e dar palestras em suas universidades, mas os convites só vêm de outros libertários e de conservadores.

Quem será que são os verdadeiros intolerantes? Conservadores ou o universitário "progressista", de esquerda e democrata?

Link para a pesquisa completa: https://goo.gl/GMwpp6.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

1. Seja polido;

2. Preze pela ortografia e gramática da sua língua-mãe.