sábado, 4 de abril de 2020

Não é ciência, é política, estúpido! Cloroquina e milhões de mortos

Por André,





O pessoal "cientudo" - adolescentes tardios que fizeram PhD em todas as ciências duras assistindo Cosmos 1 e 2 - acha que tá defendendo "ciência", quando tá só limpando a barra da sua ditadura de estimação. E nem tá faturando em cima disso, como o Tamarindo.

Exemplo clássico disso é a questão da hidroxicloroquina.

Um dos seus maiores defensores é Didier Raoult, que tem um currículo acadêmico gigantesco - e não é de tamanho de currículo que esses caras gostam, pra ver quem tem mais direito na carteirada?

Aí tem o Átila Tamarindo. Que chupinhou o estudo do Imperial College, aplicou ao Brasil e deixou sua trupe de adolescentes tardios com as roupinhas íntimas úmidas.

Um entusiasta honesto da ciência estaria empolgado com os dois, talvez até mais com o primeiro que com o segundo.

Mas ADIVINHEM: o que tem discurso que fomenta sua narrativa política É O PIROCÃO CIENTUDO, o outro, que está afirmando o que rema na outra direção - pois a hidroxicloroquina foi defendida primeiro por Trump e Bolsonaro - é ignorado ou tem suas credenciais postas em xeque.

Esse pessoal tá tão preocupado com a imaculada çienssia quanto o Partido Comunista Chinês é democrático.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

1. Seja polido;

2. Preze pela ortografia e gramática da sua língua-mãe.